Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

Tudo tem uma razão de ser

Outro dia, um amigo me chamou a atenção porque eu criticava os buracos da cidade sem perceber o que está por trás deles.

Fiquei atônito porque sempre imaginei que atrás dos buracos estavam falta de manutenção e serviço mal feito.

Mas pacientemente ele me explicou que não. Atrás dos buracos há ciência, sociologia e economia aplicada; que os buracos tinham importante papel na geração de renda e condição de vida de milhares de brasileiros.

Leia também: Buracos que não têm fim

Atrás deles não estava serviço mal feito, nem falta de manutenção. Atrás deles estava importante esforço de planejamento para garantir a renda de famílias que, de outra forma, poderiam não ter como viver com dignidade.

Seriam milhares de pessoas condenadas ao frio brutal das noites de inverno, pessoas sem chance de ter uma chance, vítimas da crise estúpida que se abateu sobre o país.

Ao manter os existentes e incentivar o surgimento de novos buracos, as autoridades estão mostrando enorme dose de sacrifício em nome do bem comum, da renda das pessoas, da geração de riqueza e de aquecimento da cadeia de consumo.

Leia também: As diferenças da China

Buracos querem dizer suspensões quebradas, pneus estourados, rodas desalinhadas e desbalanceadas, latarias amassadas, para-choques arrancados, colisões com e sem vítimas. Além de ter que tapar o próprio buraco para que ele possa abrir outra vez.

Os buracos fazem girar a roda da economia como se o Brasil não tivesse crise, pelo menos para os milhares de trabalhadores alocados nessas atividades.

Os buracos são um achado. Com eles em pleno florescimento São Paulo não terá o mesmo número de desempregados das cidades sem buracos. Santos buracos que geram renda e bem-estar social!

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.