Chuva

Eu preciso da chuva como a terra. Preciso senti-la entrar em mim e me revitalizar, num beijo molhado que desce pelo corpo e entra na alma.Preciso da chuva como a árvore. Preciso dela para refazer minha seiva, para limpar minhas folhas, para me fazer crescer. Eu preciso da chuva como…

Continuar lendo

É melhor ter respeito

Eva, Sara, Raquel, Dalila, Helena de Tróia, Ester, Rainha de Sabá, Maria Madalena, Isabel a Católica, D. Leonor de Portugal, Joana D’Arc, Elizabeth I, Mary Stuart, Catarina da Rússia, Maria Tereza da Áustria, Dona Beja, Xica da Silva, Marquesa de Santos, Josefina, Florence Nightingale, Anita Garibaldi, Isadora Duncan, Jaqueline Kennedy,…

Continuar lendo

A felicidade de olhos tristes

Pode parecer incrível, mas a felicidade, às vezes, aparece de olhos tristes. Olhos infinitamente tristes, como se a certeza de que ela acabará em pouco tempo deixasse, já bem antes do fim, a sua sombra sobre a lembrança de momentos, de instantes, que poderiam ter sido muito maiores, mas que…

Continuar lendo

A lua e suas fases

As fases da lua comandam o ciclo das mulheres e o movimento das marés. São elas que determinam a fertilidade do mundo, no vai e vem das águas que deixam nas praias as sobras da vida. As fases da lua falam da expansão do universo e das rotas que os…

Continuar lendo

Os dias bons

Existem dias em que no momento em que a gente acorda fica claro, sem nenhuma razão mais explícita, que ele vai ser uma tragédia. Que tudo dará errado, que as coisas não correrão da melhor forma e que o ideal seria ficar na cama, torcendo para ela não desabar ou…

Continuar lendo

Como os pingos da chuva

Os pingos da chuva caem enriquecendo o solo para o milagre da vida nascida das sementes adormecidas que as chuvas de verão acordam, umedecendo o chão. Mensageiros divinos, cada um deles traz em si um pouco do toque de deus para acender os ramos que brotam da terra agradecida. Os…

Continuar lendo

As paineiras

“Ah, essa impiedade da paineira para consigo mesma!” Mário de Andrade, impresso, e depois apagado, na lareira do salão da frente da casa de meu tio Alfredo. Paineira, na visão do grande escritor, porque com seus espinhos afastava os amigos, machucando-os, quando chegavam perto de sua beleza, ou generosidade. Poucas…

Continuar lendo

Mexericas no lugar das goiabas

Este ano eu comi uma única goiaba no pé. Não sei o que aconteceu, mas a praga que atacou as árvores nos anos passados se alastrou e acabou com as frutas nas árvores. Não teve goiaba para se comer no pé. Consegui uma única, exceção à regra, ao lado da…

Continuar lendo

A apologia da mortadela

Ao longo de sua história o homem foi se sofisticando e sofisticando a sua forma de viver. Das frias e escuras cavernas para as palafitas, das palafitas para casas de pedra, das casas de pedra para os palácios e dos palácios para o projeto Cingapura, nós podemos observar um claro…

Continuar lendo

Eternamente

Quando o caos dominava o mundo e a palavra ainda não fora dita, eu já te amava. Te amava antes da idade das coisas, em ondas que cortavam o universo, trombando com outras ondas, todas correndo sem sentido e sem ordem, exceto aquela em que estava o meu amor. Depois,…

Continuar lendo