Chuva

Às vezes eu me pergunto se a chuva é só um fenômeno natural ou se é o resultado dos anjos chorando. A segunda versão é mais bonita e teria um toque de poesia daqueles que fazem a mulher amada sorrir. Como quando a gente vê a lua cheia no céu…

Continuar lendo

As distâncias entre as distâncias

Qual a maior distância entre as distâncias? A que vai do começo ao fim? A que vai do fim ao começo? Do big bang ao infinito? Da eternidade de Deus à consciência humana? Qual a maior distância? A que ninguém percorreu? A que não é ao menos imaginável? Será que…

Continuar lendo

Mágica

Que mágica te fez real, saída das ruas escuras e cinzas, perdidas no emaranhado da cidade? Que mágica te fez real, intensa e inteira como um quadro de Botticelli arrancando Vênus do mar? Que mistério profundo te trouxe da imensidão do cosmos, errante feito um cometa, em rota de colisão…

Continuar lendo

Redundância

Dizer que eu amo as flores é reforçar o que eu digo desde outubro de 1992, quando comecei escrever as “Crônicas da Cidade” e leva-las ao ar pela rádio Eldorado. Mais que isso, é voltar no tempo, para a época em que me metia no mato da fazenda e ficava…

Continuar lendo

A sonda e o cometa

Quero me fundir em você como a sonda que se atirou contra o cometa. Quero me integrar em você como a sonda se integrou no cometa, numa explosão brilhante onde a sonda deixou de ser sonda para ser parte do cometa. Quero me atirar conscientemente, não como um kamikaze alucinado,…

Continuar lendo

A mulher nua

No Largo do Arouche, bem de frente da Academia Paulista de Letras, tem uma estátua de uma mulher nua deitada com os braços numa posição de diva do cinema antigo. Em frente dela estão os bustos de alguns acadêmicos de destaque. Confesso que quando eu morrer também quero ter este…

Continuar lendo

Os nomes

  Nome é muito pessoal, por isso mesmo cria situações inusitadas. Eu sei de um cidadão que atendia por Antonio, mas o nome era Francisco. O pai foi ao cartório e registrou como Francisco, mas, quando chegou em casa e contou para a mãe, ela disse que não gostava e…

Continuar lendo

Não voe alto

Até hoje eu me lembro de meu tio Alfredo Mesquita me dizendo, cada vez que eu ficava ansioso, querendo muito alguma coisa: “não queira muito porque um dia você consegue”. Para o jovem de mais ou menos 18 anos, querendo engolir a lua cheia num grande banquete, a frase não…

Continuar lendo

Dois lados de duas moedas

  Toda moeda tem pelo menos dois lados. Isso não significa que um tenha que ser bom e outro ruim. Os dois podem ser bons, os dois podem ser ruins e um pode ser bom e outro ruim. Também pode acontecer de não serem nem bons, nem ruins, mas serem…

Continuar lendo

A batida da lua cheia

  A lua cheia brilha no céu, batendo no ritmo de bilhões de corações pulsando incessantemente na terra. No ritmo da terra. Ou será que é o contrário? É a terra que gira no ritmo dos corações? Questões transcendentais, problemas insolúveis se materializam diariamente na frente dos físicos, enquanto os…

Continuar lendo