Ah, se fosse sempre assim!

Ah, se fosse sempre assim! Se o trânsito da cidade desse uma folga e os motoristas não enlouquecessem no cotidiano dramático que é dirigir pela metrópole… É sério! Os motoristas enlouquecem, saem de giro, acham que são o Arcanjo São Miguel vingando a honra das Valquírias atacadas pelos soldados chineses…

Continuar lendo

Centenário de uma obra de arte

[Crônica de 25 de outubro de 2013] O Viaduto Santa Ifigênia completou 100 anos. Um século, atravessando o vale para unir o Largo de São Bento ao Largo de Santa Ifigênia. O mosteiro e a igreja, a fé com a fé. O Viaduto do Chá é mais antigo e mais…

Continuar lendo

A garça solitária

[Crônica de 27 de julho de 2001] São Paulo é a cidade do imprevisto, do inusitado. Aqui as coisas acontecem sem pedir licença, causando o máximo de espanto no mínimo de tempo. Tudo é possível. Até o impossível. Assim, não poderia ser diferente com o céu da cidade. Nele também…

Continuar lendo

Os churros na Mooca

[Crônica de 28 de dezembro de 2001] O importante nesta vida é fazer bem-feito. Não importa o que, tudo se for bem-feito vale a pena. Tanto faz a colocação da pessoa, sua função e o que ela tem que fazer. Fazendo bem-feito, não tem esse negócio de eu sou mais…

Continuar lendo

As terras das ordens mais antigas

[Crônica de 3 de dezembro de 2003] Quem olha o Centro Velho de São Paulo nota que as ordens religiosas ocupam os melhores espaços. A razão para isso é simples: elas chegaram cedo e requisitaram as terras onde se instalaram quando a cidade era menos que uma currutela e a…

Continuar lendo

A igreja de Santo Antonio

[Crônica de 15 de dezembro de 2009] Uma das perversidades do portal do Patriarca é que ele esconde quase que completamente as construções em volta da praça. Corcunda de Notre Dame, ele usa sua feiura incomensurável para tapar o pouco de belo que ainda permanece vivo no centro velho da…

Continuar lendo

A decadência do centro

[Crônica de 29 de junho de 1999] São Paulo é uma cidade com uma mobilidade impressionante. Além disso, só neste século ela já foi praticamente demolida e reconstruída três vezes, o que dá a dimensão da sua pujança antropofágica e da sua capacidade inata de seu perpetuar, crescendo sempre, como…

Continuar lendo

São Paulo como eu me lembro

[Crônica de 12 de dezembro de 2013] Meu amigo Roberto da Rocha Azevedo, faz tempo queria publicar um livro sobre São Paulo. A cidade em que ele cresceu, tendo por base suas lembranças e um riquíssimo acervo de fotos e filmes da época, feitos por ele mesmo e seus familiares,…

Continuar lendo

O último Interlagos

[Crônica de 24 de março de 1998] Houve época em que ele era o máximo. Uma gracinha sobre rodas que transitava pelas ruas de uma outra São Paulo, muito mais calma, muito mais humana, ainda que sendo a cidade que mais crescia no mundo. Comparado com hoje, mesmo seu trânsito,…

Continuar lendo

E agora, velho Pacaembu?

[Crônica de 2 de junho de 2014] Com a inauguração do Itaquerão e da Arena Allianz, novo nome do velho Parque Antártica, os três times grande da Capital passam a ter estádios de primeiro mundo, seja lá o que isso quer dizer. Como as coisas vão funcionar é um mistério,…

Continuar lendo