O inventor da Liberdade

[Crônica de 20 de fevereiro de 2008] No ano do centenário da imigração japonesa não tem como deixar de prestar atenção no bairro da Liberdade, em São Paulo. Com certeza não há símbolo mais forte da presença oriental no país. O que pouca gente sabe é que o Bairro Oriental…

Continuar lendo

Praça José Vieira

[Crônica de 26 de julho de 2007] A dinâmica urbana capitaneada pela incompetência é no mínimo apavorante. Mas ela está aí, é uma força viva, e causa estragos de deixar o próximo de cabelo em pé, por conta das barbaridades que vão sendo feitas sem qualquer critério, exceto a incapacidade,…

Continuar lendo

O condomínio

O simpático edifício aparece calmo e humano, em sua arquitetura de fins de 1940. Cercado por outros prédios mais altos, construídos em fins dos anos 1950, início de 1960, se destaca deles pela altura menor, pelo corpo mais quadrado e pelas amplas janelas que tomam toda a frente das salas….

Continuar lendo

Para baixo das alamedas

[Crônica de 18 de abril de 2008] As alamedas atualmente se chamam jardins. É curioso como a indústria imobiliária muda os nomes da cidade, de acordo com seus interesses, valorizando com o nome do vizinho, áreas que não faziam parte dele. Os jardins começavam para baixo da rua Estados Unidos,…

Continuar lendo

A igreja da Santo Antônio

[Crônica de 18 de agosto de 1999] Perdia no centro da cidade, escondida pelos camelôs, lojas decadentes e até algumas árvores que insistem em tocar em frente no meio da praça do Patriarca, fica uma das igrejas mais antigas de São Paulo. A igreja de Santo Antonio, ainda no século…

Continuar lendo

A Casa do Bandeirante de manhã cedo

[Crônica de 1 de fevereiro de 2001] A praça Monteiro Lobato é um lugar calmo, com árvores grandes e bonitas, perto da marginal Pinheiros. Sem ser muito grande, a praça ocupa um quarteirão do Butantã, olhando de frente a avenida ensandecida e o rio assassinado, que o projeto Pomar tenta…

Continuar lendo

A cidade que anda

[Crônica de 25 de junho de 2003] Desde seu começo, São Paulo tem uma mobilidade impressionante. Por isso, desde seu começo, a administração da cidade sempre correu atrás dela, indomável e apressada, em todas as direções, pelo enorme planalto de Piratininga. Durante quase 400 anos, a cidade foi uma vila…

Continuar lendo

Ah, se fosse sempre assim!

Ah, se fosse sempre assim! Se o trânsito da cidade desse uma folga e os motoristas não enlouquecessem no cotidiano dramático que é dirigir pela metrópole… É sério! Os motoristas enlouquecem, saem de giro, acham que são o Arcanjo São Miguel vingando a honra das Valquírias atacadas pelos soldados chineses…

Continuar lendo

Centenário de uma obra de arte

[Crônica de 25 de outubro de 2013] O Viaduto Santa Ifigênia completou 100 anos. Um século, atravessando o vale para unir o Largo de São Bento ao Largo de Santa Ifigênia. O mosteiro e a igreja, a fé com a fé. O Viaduto do Chá é mais antigo e mais…

Continuar lendo

A garça solitária

[Crônica de 27 de julho de 2001] São Paulo é a cidade do imprevisto, do inusitado. Aqui as coisas acontecem sem pedir licença, causando o máximo de espanto no mínimo de tempo. Tudo é possível. Até o impossível. Assim, não poderia ser diferente com o céu da cidade. Nele também…

Continuar lendo