Falar ou não falar

São Paulo é uma cidade enorme, capaz de tudo, seja para um lado, seja para o outro. Da mesma forma que as maiores barbaridades acontecem diariamente, acontecem também atos que engrandecem o ser humano e que passam desapercebidos do grande público, em função de não virarem notícia. É verdade. A…

Continuar lendo

A vida cinza

Se de um lado São Paulo consegue apresentar coisas fantásticas, que a fazem uma cidade única na ordem internacional, de outro, tem um lado triste incrustado no peito de certas pessoas e que a faz mais brutal do que a própria violência. É o lado cinza da solidão, do desamparo…

Continuar lendo

A cidade e seus movimentos

Quando você imagina que o rumo é para lá, São Paulo te engana. É para cá, também. Mais ou menos, sempre foi assim. Desde o começo, no século 16, o planalto foi ocupado sem muita regra e nenhum planejamento, quem sabe com exceção do colégio dos jesuítas, colocado no alto…

Continuar lendo

O silêncio

  É impressionante como o isolamento da população, aceito e seguido pela população, mudou a cidade. Em todos os sentidos: no ar, na cor, no cheiro, no trânsito, mas, acima de tudo, no barulho, ou melhor, no silêncio. Me lembrei de uma experiência que fiz na casa de uma amiga…

Continuar lendo

O paliteiro galopante

São Paulo muda de cara todos os dias. Nada que as cidades vivas e dinâmicas não façam, mas a velocidade aqui é alucinante. Foge dos parâmetros normais, ainda que se levando em conta outras metrópoles com as mesmas características. São Paulo corre feito o diabo da cruz desde o começo…

Continuar lendo

As ruínas

São Paulo é cruel e fria. Cidade rica e relativamente antiga, cobra preços inacreditáveis para dar ao vitorioso a fama e o sucesso. E as pessoas pagam. Pagam porque não imaginam a vida como algo diverso da luta diária pelo pão de cada dia. Não imaginam que possa haver beleza…

Continuar lendo

São Paulo não tem mais garoa

Já teve um tempo que São Paulo era conhecida como terra da garoa. Invariavelmente a chuvinha fina, fria e chata tomava conta do cenário deixando cinza e triste a paisagem urbana. Para se proteger dela, as pessoas usavam galochas, cachecóis e guarda-chuvas. E mesmo assim morriam de pneumonia, vítimas da…

Continuar lendo

As chuvas vão voltar

  Não sei quanto tempo o coronavírus vai ficar por aqui, nem qual o grau de destruição que ele traz embutido. Mas tenho certeza de que as chuvas de verão voltarão, com a tranquilidade com que as nuvens se formam no céu e suas águas caem na terra. Nós nos…

Continuar lendo

O silêncio que grita

O silêncio da cidade é cheio de sons. Contradição? Não há silêncio com som? Não é bem assim. O silêncio da cidade tem um ruído constante que não para durante as 24 horas do dia. Experimente gravar. Você ficará surpreso. O silêncio urbano, na metrópole alucinada, tem um gemido infernal,…

Continuar lendo

O renascimento da Rua Augusta

São Paulo é cíclica. As coisas acontecem, passam, são quase esquecidas, e, depois, voltam. É o caso da Rua Augusta. Quando eu era menino, saia do Colégio Dante Alighieri por um buraco no muro, para ir para a Rua Augusta cabular aula e ouvir música na Hi-fi. Era o máximo….

Continuar lendo