23 de maio

[Crônica de 23 de maio de 2003] Hoje se comemora o Dia do Soldado Constitucionalista. 23 de maio é mais do que o nome de uma avenida importante da cidade de São Paulo, é a data que, em 1932, caiu o primeiro sangue paulista, na longa luta rumo a democracia…

Continuar lendo

O inventor da Liberdade

[Crônica de 20 de fevereiro de 2008] No ano do centenário da imigração japonesa não tem como deixar de prestar atenção no bairro da Liberdade, em São Paulo. Com certeza não há símbolo mais forte da presença oriental no país. O que pouca gente sabe é que o Bairro Oriental…

Continuar lendo

Praça José Vieira

[Crônica de 26 de julho de 2007] A dinâmica urbana capitaneada pela incompetência é no mínimo apavorante. Mas ela está aí, é uma força viva, e causa estragos de deixar o próximo de cabelo em pé, por conta das barbaridades que vão sendo feitas sem qualquer critério, exceto a incapacidade,…

Continuar lendo

O condomínio

O simpático edifício aparece calmo e humano, em sua arquitetura de fins de 1940. Cercado por outros prédios mais altos, construídos em fins dos anos 1950, início de 1960, se destaca deles pela altura menor, pelo corpo mais quadrado e pelas amplas janelas que tomam toda a frente das salas….

Continuar lendo

Dengue

Não existem duas dengues iguais, mas apenas semelhantes. A doença tem uma enorme capacidade de improvisação. Assim, tem gente que mal sente e gente que passa muito mal, com as mais variadas possibilidades entre os dois extremos. De qualquer jeito, na média, a dengue é uma doença cruel, que maltrata…

Continuar lendo

As floradas menores

(Crônica de 6 de maio de 2003) O ano se divide em floradas maiores e floradas menores. Não por serem mais ou menos belas, mais ou menos esplendorosas, mas por terem mais ou menos árvores para florirem ao mesmo tempo. Entre as menores, temos as paineiras, que este ano saíram…

Continuar lendo

As ruas mais escuras

(Crônica de 22 de novembro de 2007) É curioso acompanhar o processo, mas dependendo do bairro, algumas ruas vão ficando mais escuras, como se houvesse uma tentativa de recuperar as noites coloniais, quando a lua cheia era a melhor iluminação e a lua nova fazia alegria dos namorados. Não sei…

Continuar lendo

A carrocinha estéreo

(Crônica de 20 de fevereiro de 2001) São Paulo é uma das cidades mais fascinantes do mundo. Não que Nova Iorque, Paris ou Tóquio também não o sejam, não é isso, com certeza elas o são, pelo menos tanto quanto São Paulo. Acontece que cada uma tem um tipo de…

Continuar lendo

Já aconteceu antes

Quando eu era menino, a energia elétrica da fazenda de Louveira era fornecida por uma companhia que não existe mais, chamada Itatibense de Força e Luz. A marca registrada da Itatibense é que não precisava chover ou ventar para acabar a energia elétrica. Era o céu começar a ficar cinza…

Continuar lendo

As grades

​[Crônica de 10 de maio de 1998​] Nós estamos tão habituados com elas que não prestamos mais atenção. Pelo contrário, só olhamos quando elas não estão lá, nas mais diferentes formas, separando o outro lado do lado de cá, separando a vida da essência da vida. A agressão é terrível…

Continuar lendo