A divisão da solidão

Numa crônica genial, verdadeira e triste, meu amigo o poeta Rodrigo Leal Rodrigues entrou de sola num tema fascinante e terrível, que é a divisão da solidão a dois, quem sabe a mais cruel de todas as solidões. Como ele colocou com admirável precisão, quando as palavras trocadas entre os…

Continuar lendo

As músicas e o táxi

[Crônica de 11 de fevereiro de 2001] Tem todo um universo de músicas lindas que são quase impossíveis de serem ouvidas, pelo menos antes das cinco horas da manhã.  São músicas deslumbrantes, mas são tristes demais e dão vontade chorar, o que só combina com quatro ou cinco uísques e…

Continuar lendo

23 de maio

[Crônica de 23 de maio de 2003] Hoje se comemora o Dia do Soldado Constitucionalista. 23 de maio é mais do que o nome de uma avenida importante da cidade de São Paulo, é a data que, em 1932, caiu o primeiro sangue paulista, na longa luta rumo a democracia…

Continuar lendo

Aviões

Apesar de um grande poeta brasileiro ter dúvidas sobre a viabilidade de uma máquina voadora, mais pesada do que o ar, inventada por um brasileiro, os aviões são uma das maiores invenções do mundo, em todos os tempos. As distâncias estão cada vez mais curtas e já se fala na…

Continuar lendo

Entre Franciscos

Bom é sair de casa e ter uma noite especial, porque a companhia é especial, porque o programa é especial, porque a vida é especial. E e ela pode ser boa e bonita, como contraponto para o feio que entristece o mundo. Meu amigo Gabriel Chalita é uma pessoa de…

Continuar lendo

O inventor da Liberdade

[Crônica de 20 de fevereiro de 2008] No ano do centenário da imigração japonesa não tem como deixar de prestar atenção no bairro da Liberdade, em São Paulo. Com certeza não há símbolo mais forte da presença oriental no país. O que pouca gente sabe é que o Bairro Oriental…

Continuar lendo

As Forças Armadas na tragédia

Se não fossem as Forças Armadas brasileiras, a tragédia do Rio Grande do Sul seria pior. O trabalho dos militares do Exército, Marinha e Aeronáutica engrandeceram a palavra solidariedade e deram outra dimensão ao acolhimento que as vítimas tiveram da nação. As Forças Armadas, durante a tragédia, mostraram quem são…

Continuar lendo

O cavalo caramelo

A catástrofe do Rio Grande do Sul mostrou o ser humano como o ser humano é. De um lado, um monstro, de outro, um ser maravilhoso. Os saques, assaltos, furtos e ações de bandos de criminosos encheram o Brasil de vergonha. Nada que não aconteça no resto do mundo, mas…

Continuar lendo

Praça José Vieira

[Crônica de 26 de julho de 2007] A dinâmica urbana capitaneada pela incompetência é no mínimo apavorante. Mas ela está aí, é uma força viva, e causa estragos de deixar o próximo de cabelo em pé, por conta das barbaridades que vão sendo feitas sem qualquer critério, exceto a incapacidade,…

Continuar lendo

O condomínio

O simpático edifício aparece calmo e humano, em sua arquitetura de fins de 1940. Cercado por outros prédios mais altos, construídos em fins dos anos 1950, início de 1960, se destaca deles pela altura menor, pelo corpo mais quadrado e pelas amplas janelas que tomam toda a frente das salas….

Continuar lendo