O nome de Louveira

Eu cresci andando a cavalo pela região de Louveira. Foi lá, no começo do século 20, que meu bisavô comprou alguns sítios que se transformaram numa fazenda, que, 4 gerações depois, voltou a ser sítio, mas preservando a grande casa da sede, reformada para ficar como está no final da…

Continuar lendo

Natal

Todo ano, há mais de dois mil anos, uma noite especial de dezembro assiste uma estrela que cortar o céu, trazendo paz aos homens. Seu brilho é tão forte que na primeira guerra mundial, num determinado natal os soldados alemães e franceses vendo a estrela no céu, confraternizaram, saindo de…

Continuar lendo

A sonda e o cometa

Quero me fundir em você como a sonda que se atirou contra o cometa. Quero me integrar em você como a sonda se integrou no cometa, numa explosão brilhante onde a sonda deixou de ser sonda para ser parte do cometa. Quero me atirar conscientemente, não como um kamikaze alucinado,…

Continuar lendo

O carroceiro

Quando eu era menino, na fazenda da família, tinha permanentemente pelo menos duas carroças para fazer o serviço de transporte de carga, que variava desde lenha cortada, até os sacos de café colhidos no alto do morro e trazidos para secar no terreiro de tijolos, na frente da casa do…

Continuar lendo

O trânsito alucinado

  De alguma forma, a pandemia, ou as consequências da pandemia, bateram forte nas pessoas e o resultado é uma enorme falta de paciência em relação a tudo. Cada um acha que tem mais direito do que o outro e isso se reflete na absoluta anarquia em que se transformou…

Continuar lendo

A esperteza que breca o esperto

É comum ver alguém seguir adiante, com o trânsito completamente parado logo à frente, para parar bem no meio do cruzamento, com cara de esperto, enquanto o semáforo muda de cor, impedindo que os outros possam tocar em frente porque o gênio do pedaço está parado onde os outros deveriam…

Continuar lendo

Tempestade de noite

É impressionante. É deslumbrante. Chega a dar medo. Mas pouca coisa no mundo é mais bonita do que uma tempestade de noite. O céu carregado e coberto de nuvens mais escuras que o escuro da noite de repente iluminado por um primeiro raio, que estoura num trovão distante, seguido de…

Continuar lendo

Carrinho de rolimã

A rua Teodoro Ramos é até hoje, apesar da loucura que toma conta da cidade, uma rua tranquila. Escondida no meio do Pacaembuzinho, ela fica perto da rua Almirante Pereira Guimarães e outras ruas de movimento pesado, mas acabou ao largo do barulho e do caos, tirando seu começo, usado…

Continuar lendo

Urubus

  Urubu é bicho feio, tem cabelo até no joelho. Gente mais velha vai se lembrar da música e vai concordar que urubu não é paradigma de beleza. Pelo menos da beleza que coloca os beija-flores nos primeiros lugares, seguidos de aves com plumagens deslumbrantes, como as araras, os cardeais…

Continuar lendo

Certas manhãs

Algumas manhãs são tão lindas que mudam o rumo do dia. Mesmo numa cidade como São Paulo, certas manhãs deixam pra trás a rotina seca e cinza de só mais um dia, para explodirem, cheias de cor, de vida, limpas e transparentes como deviam ser as manhãs do começo do…

Continuar lendo