A igreja do Embu

Eu conheço a igreja do Embu desde o tempo que o Embu era o Embu e não o “Embu das Artes”, que lhe acrescentaram depois. Perto da idade da cidade e da igreja em particular não é nada, mas volta a uma época em que ir ao Embu era um…

Continuar lendo

Saudades

Confete pedacinho colorido de saudade, de uma pastora que não tem pena de mim que sofro tanto pelo seu olhar. Linda criança, tu não me sai da lembrança, meu coração não se cansa de tanto, tanto, te amar. Ah essa saudade louca que antigamente florescia em sambas e hoje acaba…

Continuar lendo

3 de abril

  Dia três de abril fez quatorze anos que meu pai morreu e cinco anos que minha mãe morreu. Pode parecer estranho, mas os dois faleceram na mesma data, com nove anos de diferença. Meu pai faleceu em 3 de abril de 2006 e minha mãe, no dia 3 de…

Continuar lendo

Perdidos nas lembranças

Rostos e nomes vão ficando para trás, escondidos na poeira do caminho. Inexorável, a vida segue em frente e o passado vai passando, lentamente, feito garoa caindo em tarde de inverno. O que era fundamental ontem, hoje, não é mais que um vago sinal, uma mancha de mofo na parede…

Continuar lendo

As paineiras estão floridas

  As paineiras estão floridas. A florada das paineiras, todos os anos, é um momento especial. As da Ponte da Cidade Universitária, então, têm uma história e uma razão própria para florirem mais do que as outras. Marcam as rotas do sul, o caminho do Guairá, os campos de Curitiba,…

Continuar lendo

A igreja do pátio do Colégio

Cada vez que eu entro na igreja do pátio do Colégio é como se entrasse numa máquina do tempo. Como se participasse, mais do que visse, de 500 anos de história do Brasil, desde a chegada das primeiras caravelas, ainda no final do século 15, até os dias atuais, com…

Continuar lendo

Diferenças

Antigamente, tinha onça nas matas das fazendas. E não precisava ser fazenda longe. Menos de 100 quilômetros de São Paulo era mais que suficiente para se escutar o urro da fera. Tinha gente que dizia que ia caçar a onça, tinha gente que fingia que ia caçar a onça e…

Continuar lendo

Olha o trem

Locomotiva Maria Fumaça é o retrato da nostalgia. Da saudade que a maioria nunca sentiu, mas que bate constante dentro do peito. Quando eu era jovem, íamos para a fazenda em Louveira de trem. Podia ser o Pullman ou a Litorina. Embarcávamos na estação da Luz e pouco mais de…

Continuar lendo

A alternativa é muito pior

  Às vezes alguns amigos reclamam porque estão ficando velhos. É verdade, ficar mais velho tem alguns problemas que as pessoas mais moças só conhecerão quando ficarem mais velhas. Mas isso não quer dizer, necessariamente, que envelhecer seja muito ruim, ou motivo para reclamação. Vale notar que para ficar mais…

Continuar lendo

Gostar de árvores

Eu aprendi a gostar de árvores ainda menino, com meu pai. Nossa casa no Pacaembu, ainda que não sendo grande, tinha no jardim dois ipês, duas palmeiras, duas jabuticabeiras, dois abacateiros e uma ameixeira, fora os hibiscos que escondiam o muro. Mas foi andando com ele pela fazenda que eu…

Continuar lendo