Nó de gravata

Cada vez mais eu uso menos gravata. Depois de décadas submetido ao martírio infernal de uma coleira de pano presa no pescoço, cheguei naquele ponto em que é possível deixar a tortura de lado, para andar mais à vontade, especialmente dentro do escritório. É evidente que não tem jeito de…

Continuar lendo

Por que telefone não faz mais trim?

Quem tem a minha idade se lembra dos telefones pretos, que eram praticamente os únicos que existiam no mercado. Lembra também do tempo que demorava pra fazer um interurbano e como era complicado falar no telefone. Por outro lado, lembra com saudade que normalmente as casa tinham uma única linha…

Continuar lendo

Lembranças de outras férias

As férias de verão são um marco na vida de qualquer menino. Não há quem não se lembre de umas férias distantes, mas viva na memória, por conta de um pequeno detalhe ou de uma grande aventura. Eu me lembro de vários acidentes mais ou menos sérios, acontecidos em diferentes…

Continuar lendo

Que saudades

Que saudade de quando eu tinha 20 anos e viver era fácil e ser feliz uma possibilidade real, que nós conseguíamos fazer ficar distante, criando um sofrimento muito relativo, nas ilusões que faziam a vida complicada, quando de verdade ela era simples como um beijo de manhã. Que saudade do…

Continuar lendo

Praça Wendell Wilkie

Praça Uendel Uilque ou praça Vendel Vilquie? O nome é difícil, como eram as encostas da praça, antes de construírem as escadas que sobem a pirambeira, ligando o alto do morro ao largo do postinho do Pacaembu, justamente a praça Wendell Wilkie. Desde quando eu era menino, nos anos 60,…

Continuar lendo

O ipê da frente da casa onde cresci

Eu cresci numa casa gostosa e ampla, construída por meus pais, no bairro do Pacaembu. Foi uma casa boa, que deixou lembranças boas e onde, na média, a vida correu feliz. No jardim da casa tinham árvores, cada uma a seu modo, com uma história. Na lateral direita, tinha um…

Continuar lendo

O nome de Louveira

Eu cresci andando a cavalo pela região de Louveira. Foi lá, no começo do século 20, que meu bisavô comprou alguns sítios que se transformaram numa fazenda, que, 4 gerações depois, voltou a ser sítio, mas preservando a grande casa da sede, reformada para ficar como está no final da…

Continuar lendo

O carroceiro

Quando eu era menino, na fazenda da família, tinha permanentemente pelo menos duas carroças para fazer o serviço de transporte de carga, que variava desde lenha cortada, até os sacos de café colhidos no alto do morro e trazidos para secar no terreiro de tijolos, na frente da casa do…

Continuar lendo

Carrinho de rolimã

A rua Teodoro Ramos é até hoje, apesar da loucura que toma conta da cidade, uma rua tranquila. Escondida no meio do Pacaembuzinho, ela fica perto da rua Almirante Pereira Guimarães e outras ruas de movimento pesado, mas acabou ao largo do barulho e do caos, tirando seu começo, usado…

Continuar lendo

Cadê tanta gente

Cadê tanta gente que foi tão próxima e que eu não sei que fim levou? Para onde foram, o que fazem, será que estão vivos? Não sei. O apavorante é que apesar de tanta proximidade no passado, hoje, aqui e agora, eu simplesmente não sei. Perdi seus rastros nos caminhos…

Continuar lendo