Franita

A Rua João Cachoeira me traz recordações da minha juventude, uma época em que o Itaim-Bibi era completamente diferente de hoje, a começar pela fábrica de chocolates Kopenhagen, que funcionava no bairro. Entre as lembranças daquela época, duas vieram à tona faz poucos dias, quando fiquei parado no congestionamento de…

Continuar lendo

Incêndio rural é coisa séria

Só quem já viu consegue dimensionar a velocidade e a força de um incêndio num pasto ou num campo seco. O fogo avança rapidamente e é quase impossível combater as chamas que crescem sem controle, alimentadas pela palha seca que cobre o chão. Mais impressionante é ver as chamas descontroladas…

Continuar lendo

95 anos do poeta

No dia 30 de setembro o poeta Paulo Bomfim teria completado 95 anos de idade. Mas ele decidiu mudar de endereço antes. Por isso, pouco mais de dois anos atrás, foi para o céu, brincar eternamente criança na Fazenda Himalaia, que serve de modelo para as fazendas de café da…

Continuar lendo

As músicas e os táxis

Tem todo um universo de músicas lindas que são quase impossíveis de serem ouvidas, pelo menos antes das cinco horas da manhã. São músicas deslumbrantes, mas são tristes demais e dão vontade chorar, o que só combina com quatro ou cinco uísques e a certeza de que não iremos dirigir,…

Continuar lendo

Uma ação perigosa

Em princípio, não haveria risco maior em se dormir dentro de um automóvel. Bom, essa regra era verdadeira até alguns anos atrás. Hoje, a coisa não é mais bem assim e é triste. Quantas vezes saí de carro por este Brasil a fora e, na falta de hotel, ou outro…

Continuar lendo

Eram paus e estão mortos

Araçá, Cambuci, Ibirapuera, Pinheiros, todos nomes designando algum tipo de pau, comum em São Paulo, quando a cidade ainda não era a metrópole antropófaga dos dias de hoje. Por incrível que pareça, esta cidade já foi pacata e pequena, tendo por volta de 1870 menos de 50 mil habitantes e…

Continuar lendo

Professora Aurora Albanese

A vida tem momentos que decidem os passos importantes, as viradas, as situações em que tudo está em jogo e pode dar certo ou pode dar errado. Todos passam por isso e, mais dia menos dia, se veem frente a frente com a onça esfomeada e descobrem que se ficar…

Continuar lendo

O Mando morreu

A vida é a vida e ela nos pega sem aviso, sem hora certa, sem razão aparente ou ao menos compaixão. Ela bate e é isso. Temos que seguir em frente, absorvendo a porrada, às vezes mais pobres e sempre mais doídos. Meu primo Armando de Salles Oliveira, o Mando,…

Continuar lendo

Carrinho de rolimã

Não tem criança que não saiba mexer em celular, tablet, computador e outras geringonças informatizadas. Faz parte do mundo moderno e, junto com elas, seguem jogos, filmes e penduricalhos e enfeites que de alguma forma alienam as mentes e fecham o coração. Era impressionante observar, antes da pandemia, a quantidade…

Continuar lendo

Carros velhos

Durante décadas, os carros velhos eram Brasílias, Variants, Opalas, Corcéis, Volkswagens, Kombis, Fiats 147 e por aí a fora, numa toada de carros nacionais que foram chamados de carroças pelo ex-presidente Collor, mas que, ao longos dos anos e até depois, cumpriram sua parte na história da indústria automobilística no…

Continuar lendo