O primeiro carro a gente não esquece

  Meu primeiro carro foi um Opala Especial, 2500, verde amazonas, ano e modelo 1971. Tinha câmbio de três marchas na coluna da direção, freio a tambor nas quatro rodas e usava pneus de Dodge Dart para melhorar a estabilidade. Além disso, tinha algo que só um outro carro no…

Continuar lendo

Emagrecer é a solução

  Meu médico, Dr. Raffaelli, diz que eu tenho que emagrecer. Até aí estamos de acordo. Eu concordo com ele, estou alguns quilos acima do meu peso ideal. Onde as divergências começam é na solução do problema. Dr. Raffaelli quer que eu pare de comer goiabada com queijo de noite,…

Continuar lendo

Saudades sem nostalgia

  Eu tenho saudades, mas não tenho nostalgia do passado. Não quero voltar no tempo e reviver o que eu vivi antes. A vida segue em frente. Quem fica parado é poste e quem anda de lado é caranguejo. O relógio não para. Desde o momento em que nascemos, os…

Continuar lendo

O galo no meio da rua

São Paulo é uma cidade inusitada, onde o imprevisível acontece todos os dias e o inacreditável faz parte da vida, sem alterar o ritmo, sem quebrar o balanço, de forma quase natural, dentro da falta de lógica do mundo. Há muitos anos, quando eu morava no Alto de Pinheiros, um…

Continuar lendo

Música irlandesa

Eu gosto de música em geral. E, dentro delas, gosto particularmente de música irlandesa. Cada vez que ouço uma canção popular, normalmente, canção de guerra ou marcha, confesso que entro no ritmo e fico imaginando, de brincadeira, se não tenho sangue irlandês. É verdade que entro no mesmo ritmo ouvindo…

Continuar lendo

Somos todos iguais

  Não conheço muitas pessoas que pensem nos pais como gente igual a eles, capazes de ações e reações como as deles, com desentendimentos e entendimentos iguais aos deles, com a vida muito parecida com a deles. Se não economicamente, sentimentalmente. Se não financeiramente, com sonhos e vontades semelhantes. É…

Continuar lendo

A família segue em frente

  Meu primo Erasmo me contou que meu tio Marcelo Mendonça faleceu recentemente, aos noventa e cinco anos de idade, em Porto Alegre. Era o último de sua geração, a geração de meu pai e seus primos, nascidos na primeira metade do século passado. Meu pai era dos mais velhos…

Continuar lendo

Aniversário de minha Mãe

  Se fosse viva, minha mãe estaria completando noventa e cinco anos de idade. Ela faleceu em 3 de abril de 2015, com noventa. Pelo lado de sua mãe, era de uma família longeva. O avô morreu aos noventa e sete, a avó com noventa e quatro, a mãe com…

Continuar lendo

Quem viu e quem vê

  Quem passa pela Avenida Lineu de Paula Machado nos finais de semana e vê as ciclovias impondo sua presença para as calçadas sem carros parados ao lado, não imagina o que era a avenida nos sábados e domingos, quando as corridas de cavalo atraíam multidões para as arquibancadas do…

Continuar lendo

Crônica 6900

  Quando eu comecei, em outubro de 1992, nunca imaginei que pudesse chegar a seis mil e novecentas crônicas. E, no entanto, cheguei. Muitos anos depois, a crônica seis mil e novecentos foi escrita e levada ao ar. Esta é a crônica seis mil novecentos um e está aqui para…

Continuar lendo