Maio, o topo do mundo

Maio é o pico do outono, o mês que os dias ficam mais azuis, várias árvores estão floridas e, por causa da pandemia, o ar está mais limpo, deixando os dias, já intensamente azuis, mais azuis ainda. Sessenta anos atrás, os pastos nativos ficavam pintados de bordô, com o capim…

Continuar lendo

Porque a lua brilha mais

Tem épocas em que a lua cheia brilha mais. Seu halo cresce e cria uma visão única, deslumbrante e romântica, capaz de trazer um pouco do que sobrou da poesia do mundo de volta pra terra. Eu sei que é difícil comparar o brilho da lua cheia deste mês com…

Continuar lendo

Outono é outono

Com ou sem mudanças climáticas, outono é outono. Pode variar um pouco mais ou um pouco menos, mas o fato absoluto, direto, irrefutável é que os meses de outono têm como grande diferença a cor do céu. O céu do outono é mais azul, mais profundo e isso já é…

Continuar lendo

Praça Guilherme Kawall

A praça Guilherme Kawall fica entre os shoppings Eldorado e Iguatemi. É um espaço de um quarteirão, extremamente simpático e, o que é raro em São Paulo, surpreendentemente bem tratado. Praça de bairro rico, contrasta com boa parte das outras regiões da cidade, que não têm nem o verde, nem…

Continuar lendo

Dia da Terra

  A terra e o Brasil têm em comum o dia 22 de abril. Dia 22 de abril de 1500 foi a data em que Pedro Álvares Cabral, comandando a maior frota que já singrara o Oceano Atlântico, chegou na costa da Bahia, descobrindo oficialmente o Brasil. Sim, oficialmente, porque…

Continuar lendo

Árvore boba da calçada

  Quando nós éramos moços, nosso grande companheiro e professor de vida natural, nas férias na fazenda, era o Zé do Santinho, depois simplificado para Zé Santinho. Grande caçador, conhecedor da fauna local, especialista nas artes do Tatú Branco e consequente impossibilidade de se caçar nas noites em que a…

Continuar lendo

Crônica 7300

  A Crônica da Cidade número 7300 começa homenageando uma paineira plantada no canteiro central da Marginal do Pinheiros, pouco antes da saída para a pista local para entrar na Ponte da Cidade Universitária. Se São Paulo tem paineiras bonitas – e tem –, esta é deslumbrante ou está deslumbrante….

Continuar lendo

As paineiras

  Essa impiedade da paineira consigo mesma… O verso de Mário de Andrade inicia um poema feito para meu tio-avô, Alfredo Mesquita. Os dois foram grandes amigos. E o verso, cada vez que vejo uma paineira florida, vem à minha cabeça, na lembrança da frente da lareira da casa da…

Continuar lendo

As flores no chão de manhã cedo

As manhãs com sol são momentos lindos, cada uma à sua maneira, dependendo do jeito que o dia chega, abrindo a perspectiva de um mundo novo brilhando no céu azul, mais ou menos acinzentado. Elas trazem no ar ainda fresco um cheiro ameno, que fala de um mundo mais limpo,…

Continuar lendo

De novo é outono

Depois da tempestade sempre chega o tempo bom. Da mesma forma, as estações se sucedem, uma depois da outra com a regularidade da terra girando ao redor do sol, em seus dois movimentos básicos, de rotação e translação. A cada quatros semanas a lua cheia enfeita o céu e depois…

Continuar lendo