A cidade dos bichos

  Tem quem duvide, mas é só porque não conhece. Quem mora aqui sabe que São Paulo tem de tudo um pouco, ou muito, como aves, ratos, baratas, pernilongos, onças e capivaras. Sabiás, bem-te-vis, rolinhas, pombas, tico-ticos, quero-queros, almas de gato, tuins, canarinhos e toda sorte de periquitos dividem os…

Continuar lendo

Vagalumes

  Outro dia, meu especialista em internet, o Renan, me perguntou se eu me lembrava dos vagalumes que voavam de noite pelos jardins de São Paulo. Respondi a ele que não me lembrava dos vagalumes em São Paulo, mas me lembrava de vagalumes na fazenda e, confesso, me deu uma…

Continuar lendo

A última flor da orquídea

As orquídeas estão entre as plantas mais soberbas e difíceis. Como sabem que são lindas quando estão com as flores abertas, não fazem nenhuma questão de fingir uma modéstia que não possuem – nem cultivam – certas da perenidade de um momento passageiro, que nem a vida e o tempo…

Continuar lendo

Eu sei que você sabe

  O flamboyant floriu com força, como se uma raiva profunda o fizesse se mexer para mostrar que os flamboyants são parte da vida da cidade e não admitem serem deixados de lado quando se fala nas árvores com as floradas mais bonitas. Os flamboyants são árvores de época. Eram…

Continuar lendo

A mais bonita beleza

A natureza é capaz de criar formas deslumbrantes, em cenários de sonho, para realçar ainda mais a beleza criada. Alguns pores-do-sol, algumas noites de lua cheia conseguem transmitir a sensação de infinito, dando-nos a certeza de que dividindo com eles este momento, somos também parte da eternidade. O belo arrepia,…

Continuar lendo

A batida da lua cheia

  A lua cheia brilha no céu, batendo no ritmo de bilhões de corações pulsando incessantemente na terra. No ritmo da terra. Ou será que é o contrário? É a terra que gira no ritmo dos corações? Questões transcendentais, problemas insolúveis se materializam diariamente na frente dos físicos, enquanto os…

Continuar lendo

As quaresmeiras

Não existem duas pessoas iguais. Podemos ser semelhantes como espécie, como raça, como religião. Mas a semelhança acaba aí. Não há nem mesmo na religião, duas formas iguais de se adorar a divindade, ainda que sendo ensinados da mesma forma, pelo mesmo professor. E quando chega nos times de futebol…

Continuar lendo

A mancha

De repente o cinza triste da cidade grande é quebrado por uma mancha roxa que muda a cor do dia e o humor das pessoas. Saída do nada, escondida atrás de um muro, ela cresce, sobe pelas paredes de tijolo, se espalha pelo dia e se entrega nos cachos deslumbrantes…

Continuar lendo

Antes da tempestade

Os momentos que antecedem as tempestades lembram muito as horas escuras em que o amor duvida do amor e o peito se fecha, sem razão, sem explicação lógica, sem vontade de escutar, porque o mundo é feio e a pessoa amada não nos ama, ou o coração acha que ela…

Continuar lendo

Os periquitos

Quem mora em São Paulo, ao longo dos últimos anos, vai se familiarizando com as aves de todos os tipos que trocaram as matas e os campos pela vida fácil na cidade grande, rica em lixo que para elas é alimento da melhor qualidade. Mas tem também as aves que…

Continuar lendo