O casamento da Companhia de Jesus

  Quanto vale um continente? Depende de quem compra e quanto paga. Santo Inácio de Loiola não teve dúvidas. Ordenou que o irmão Pero Dias se casasse para a maior glória da Companhia de Jesus e pela conquista do interior da América do Sul. Na metade do século 16, João…

Continuar lendo

O Peabiru

Ao contrário do que os livros de escola ensinam, o caminho entre o litoral e o planalto de Piratininga, quando da chegada de Martim Afonso de Souza não era uma pirambeira íngreme. Aliás, depois dele, Nóbrega também subiu a serra sem fazer tanta força assim. Pelo contrário, as pirambeiras eram…

Continuar lendo

Um outro enfoque na defesa

A grande mudança trazida pelos jesuítas quando chegaram no alto do Planalto foi a forma como olharam sua defesa. O primeiro colégio, pequeno, erguido por Nóbrega ainda em 1553, ficava junto da povoação de Santo André da Borda do Campo. O segundo, inaugurado em 25 de janeiro de 1554, foi…

Continuar lendo

Cadê os nomes do passado?

Um país é feito lentamente ao longo do tempo, como os elos entrelaçados de uma corrente que se estende comprida, desde uma ponta até a outra, ininterruptamente, pelos séculos que separam o mais remoto começo dos dias de hoje. Mas se um país é feito e depois demarcado pelas fronteiras…

Continuar lendo

As distâncias de antigamente

Nem sempre o mundo pareceu pequeno como parece hoje. Antigamente as distâncias tinham outras proporções, ainda que, em quilômetros, fossem as mesmas. Em qualquer lugar, 20 quilômetros sempre foram 20 quilômetros, mas seis léguas podem variar enormemente, como Zé Cássio do Val e eu descobrimos quando fomos para o nordeste…

Continuar lendo

O comitê da sardinha

D. João VI sorriu no seu caixão. Afinal, depois dele foi a primeira vez que alguém se preocupou seriamente com o problema da sardinha no Brasil. Ao contrário do que muita gente pensa, o rei português estava longe de ser um imbecil. Na longa história dos reis, poucos monarcas tiveram…

Continuar lendo

Caminho sem volta

  Quando eu era menino, se ia para Santos por dois caminhos: a Via Anchieta, moderna, com curvas e túneis que permitiam altas velocidades – a permitida era 80 quilômetros por hora, inclusive na serra -, ou o velho Caminho do Mar, uma das estradas mais bonitas e complicadas que…

Continuar lendo

Lua cheia em Sagres

No alto do promontório de Sagres o Infante Dom Henrique contemplava a imensidão Atlântica sonhando descobrir terras escondidas pelos séculos e pelas lendas. Pra lá da vastidão azul quebrando incessantemente no lado norte das escarpas abrutas, havia de haver terra, muita terra, e outros povos para negociar e serem convertidos…

Continuar lendo

O nome de Louveira

Eu cresci andando a cavalo pela região de Louveira. Foi lá, no começo do século 20, que meu bisavô comprou alguns sítios que se transformaram numa fazenda, que, 4 gerações depois, voltou a ser sítio, mas preservando a grande casa da sede, reformada para ficar como está no final da…

Continuar lendo

As maravilhas do Jardim Botânico de São Paulo

Oficializado em 1938, as visitações podem ser presenciais ou por tour virtual Considerado um laboratório ao ar livre, o Jardim Botânico de São Paulo faz parte do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga (PEFI), a terceira maior reserva de Mata Atlântica do município de São Paulo. Ao longo dos seus…

Continuar lendo