As borboletas e as pessoas

As borboletas não sabem, mas estão constantemente ameaçadas. Mas não mais pelos caçadores de borboletas que corriam atrás delas com suas redes engraçadas e que depois de matá-las as pregavam em painéis especiais. Agora, as borboletas estão ameaçadas pela agressividade do planeta, que pode tornar a natureza hostil para elas….

Continuar lendo

Por que tantos porquês?

  Por que será que a pitangueira resolveu antecipar sua carga? Será que ela e as jabuticabeiras brigaram numa madrugada de sabiá piando? Será que na origem da coisa está ciúme porque as aves fizeram ninho numa e não nas outras? Será que foi ao contrário, ou o contrário do…

Continuar lendo

O dinossauro e o balé

O bailado segue pelo céu como se um enorme palco fosse montado só para mostrar a graça e a poesia do voo das grandes aves. Para cá e, depois, lentamente para lá, subindo e descendo ao sabor das correntes aéreas que mudam o rumo das aves caprichosamente, fazendo com que…

Continuar lendo

O que importa é o reverso do verso

Que me importa se é verdade que uma lua de Júpiter pirou e começou a dar cambalhotas, mudando o eixo em mais de 80 graus? Ou que cientistas enxeridos descobriram que em 1860 uma Supernova explodiu dentro da Via Láctea? Que me importa o movimento dos astros, exceto pela influência…

Continuar lendo

O gajeiro da esperança

Olá gajeiro real, o que você vê do alto de sua cesta, neste mastro de esperanças enfunando rotas rumo ao sul? Que distâncias te apontam o voo das aves que cruzam imensos horizontes para mostrar o rumo seguro das terras escondidas? Quanta solidão te faz mais esperto, desvendando os segredos…

Continuar lendo

Sonho e realidade

O que é sonho e o que é realidade, nesta vida alucinada, cada vez mais rápida, se perdendo diuturnamente na cidade grande? Quem sabe se o ônibus passando em cima do carro é um pesadelo com a densidade de um nhoque ou uma batida de verdade? Quem sabe se o…

Continuar lendo

As flores de plástico

As flores de plástico não morrem. A frase está escrita no muro do Cemitério São Paulo. É verdade, as flores de plástico não morrem, mas, como as flores de verdade, também envelhecem, perdem a cor, se tornam quebradiças e são jogadas fora, sem deixar saudades. É triste, como um vaso…

Continuar lendo

O universo não está nem aí

  Amanhece e anoitece. Amanhece e anoitece. De noite, o céu tem estrelas; de noite, o céu não tem estrelas; de noite, a lua muda de fase; de dia, o sol brilha e ilumina o mundo. Pretensão minha dizer “o mundo em volta”. O que eu vejo é uma parte…

Continuar lendo

As pessoas passam, mas deixam saudades

A vida é uma correria constante, ninguém sabe muito bem para onde, nem por quê. A única certeza é a morte, mas mesmo ela pode vir num momento inesperado, de supetão, cortando sonhos, encerrando relações, mudando vidas. Nada é certo ou constante. Cada um sabe de si e mesmo assim,…

Continuar lendo

Nem sempre é correto

Nem sempre o que parece politicamente correto é ao menos correto. Andar de bicicleta é saudável, não polui o meio ambiente e ajuda a descongestionar o trânsito, para ficar no básico e não falar do imenso prazer que uma bicicleta pode oferecer. Então pedalar é politicamente correto. Mas, nem sempre….

Continuar lendo