Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

Crônica 6900

 

Quando eu comecei, em outubro de 1992, nunca imaginei que pudesse chegar a seis mil e novecentas crônicas. E, no entanto, cheguei.

Muitos anos depois, a crônica seis mil e novecentos foi escrita e levada ao ar. Esta é a crônica seis mil novecentos um e está aqui para confirmar que, antes dela, uma crônica antes dela, a crônica seis mil e novecentos foi escrita e levada ao ar.

O tema foi o verde da primavera. Tema sério, profundo, que abre o universo e todas as suas possibilidades para a imaginação de cada um de nós.

Leia também: 30 anos de rádio

Eu jamais teria chegado até aqui sem o apoio e a força de vocês. Sem o ouvinte não tem rádio. Quem faz o rádio, quem pauta a programação, quem dá o tom, diz o que gosta ou não gosta, quem manda, enfim, é o ouvinte. É você, que neste momento está sabendo que, desde 1992 até agora, a Crônica da Cidade foi ao ar seis mil e novecentas vezes, sempre com um tema novo ou um jeito novo de ver velhos temas.

A proposta inicial era mostrar o lado bonito e alegre de uma metrópole chamada de feia e sem graça.

São Paulo nunca foi feia e sem graça. Como a vida era corrida e os obstáculos duros de serem vencidos, chamavam a cidade de feia, cinza, melancólica e mais uma série infindável de adjetivos negativos.

Leia também: Um livro e suas recordações

Eu não concordava com isso. Então sugeri ao João Lara, diretor da Rádio, escrever diariamente uma crônica mostrando o outro lado. Ele topou e a Crônica foi ao ar e está aí até os dias de hoje.

É verdade, nem todas as crônicas mostram o lado bom e bonito da cidade. Várias entram por campos menos belos, por assuntos mais pesados, mas não há o que fazer. De qualquer forma, muito obrigado a você que, ao longo destes anos, me deu a força para tocar em frente.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.