Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

Pequenas batidas

 

De repente, o carro da frente breca. Com razão ou sem razão, ele breca, para, ou diminui sensivelmente a velocidade.

Você vem atrás, um pouco distraído, e, quando vê, taca o pé no breque, o carro para, mas quando para, para encostando no para-choque do carro da frente.

Na maioria das vezes as pessoas nem param. Sabem que não aconteceu nada, que foi apenas um toque. Emparelham os carros, o de trás pede desculpas e todo mundo toca em frente porque quem fica parado é poste e quem anda de lado é caranguejo.

Leia também: Pasme, não é obrigatório

São situações normais no dia a dia da cidade grande. Da mesma forma que você é o motorista do carro de trás, amanhã você pode ser o motorista do carro da frente. Tem coisas muito mais sérias para nos preocuparem ou fazer perder tempo.

Mas tem o motorista que faz questão de parar. Para no meio da rua, pouco se lixando com os carros que vêm atrás. Desce indignado, vai até a traseira, olha e, apesar de ver que não aconteceu nada, faz questão de ir até o carro que encostou no dele, bate no vidro e começa uma discussão.

“Você não olha pra frente? Não presta atenção no trânsito? Não guarda distância? Não viu que eu brequei? Estava falando no telefone?…”

Leia também: O avesso pelo avesso

Você, pacientemente, responde que não aconteceu nada, que está tudo certo, que estão atrapalhando o trânsito, mas não adianta, ele quer que você desça e olhe o para-choque do carro dele.

Você desce, vai até a frente do seu carro, olha os para-choques, mostra que não aconteceu nada, mas não adianta. Ele passa o dedo em busca de um ponto sem tinta, de um furinho que seja. Não encontra.

Você volta para o seu carro, ele puxa seu braço, quer seu telefone, tira foto da sua placa. Só então ele entra no carro e vai embora xingando. Que pena que o mundo virou isso.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.