Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

Somos todos iguais

 

Não conheço muitas pessoas que pensem nos pais como gente igual a eles, capazes de ações e reações como as deles, com desentendimentos e entendimentos iguais aos deles, com a vida muito parecida com a deles.

Se não economicamente, sentimentalmente. Se não financeiramente, com sonhos e vontades semelhantes.

É raro imaginarmos nossos pais moços, namorando, ficando noivos, casando, tendo filhos, construindo suas vidas.

Na maior parte das vezes nos lembramos deles quando já estamos com uma certa idade e o ritmo da vida nos coloca na escola, na aula particular, no curso de inglês, na natação, na ginástica, com os irmãos e primos, na primeira festa, com a primeira namorada, andando pelo mundo com os amigos.

Leia também: Aniversário de minha Mãe

Pai e mãe namoram, têm amigos, dançam, vão a festas, dão risada, se fantasiam nos carnavais. Vivem vidas muito parecidas com as nossas, apenas algumas décadas antes.

Meu amigo Paulo Bomfim me dizia que o problema de ficar velho é que o corpo não acompanha mais a cabeça e de repente descobrimos que não damos mais saltos mortais no trampolim da piscina da fazenda.

Outro dia, mexendo num armário com pastas velhas, encontrei um álbum de fotografias de minha mãe. A maioria das fotos é da década de 1940, em Campos do Jordão.

Leia também: Um cidadão comum

Em primeiro lugar, as fotos mostram que ela foi uma mulher muito bonita.

Mas, mais importante do que isso, mostram o dia a dia, a rotina dela e de seus amigos, e que essa rotina é muito parecida com as nossas, que são muito parecidas com as dos nossos filhos.

Guardadas as tipicidades de cada época, o ser humano é o ser humano e seu comportamento, depois que todos crescem, é muito parecido.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

 

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.