Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

A Santa Casa na pandemia

Quarta-feira passada, dia 18 de março, foi o tiro de largada para o avanço da pandemia do coronavírus Brasil a fora. Os fatos já mostravam que a situação se agravava. Dois médicos da Santa Casa tinham exames com resultados positivos para o coronavírus, o que levou outros dois médicos a ficarem em observação por terem contato com eles.

Ao mesmo tempo nossa superintendente de comunicação teve contato com um deputado estadual também contaminado, o que a obrigou ficar em casa, no aguardo do resultado do exame.

Ler também: O brasileiro quer saúde

Na quarta-feira os números mudaram de patamar, mostrando que a epidemia havia se espalhado e que as partir daquele momento todos os brasileiros estavam sujeitos a contrair a Covid19.

A Santa Casa de São Paulo já vinha se preparando para enfrentar o coronavírus desde o primeiro momento da chegada do vírus no país. Os planos de ação foram sendo discutidas e implantados rapidamente, em sequência, de acordo com os avanços da epidemia e as instruções das autoridades de saúde, com eficiência e profissionalismo.

Da mesma forma com que os antigos colaboradores da Santa Casa atuaram no passado para debelar as epidemias de varíola, febre amarela e gripe espanhola, e, depois, como hospital de sangue na Revolução de 1932, os mais de sete mil colaboradores da Santa Casa de hoje estão enfrentando o coronavírus com competência e compaixão para dar o melhor atendimento à população que a procura e que lota seu pronto socorro.

Ler também: O Coronavírus chegou

O pronto socorro da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo é o maior pronto socorro de portas abertas da cidade. Quer dizer, quem chega, entra e é atendido. Neste momento, com o coronavírus correndo solto não será diferente. Em parceria com as autoridades continuaremos fazendo nossa parte. Quem nos procurar será atendido.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.