Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

A alternativa é muito pior

 

Às vezes alguns amigos reclamam porque estão ficando velhos. É verdade, ficar mais velho tem alguns problemas que as pessoas mais moças só conhecerão quando ficarem mais velhas.

Mas isso não quer dizer, necessariamente, que envelhecer seja muito ruim, ou motivo para reclamação.

Vale notar que para ficar mais velho é preciso viver mais tempo. Se você morre cedo, você não fica mais velho, então ficar velho tem a vantagem indiscutível de permitir ao interessado viver mais, ou seja, ter mais tempo para aproveitar a vida.

Se de um lado ficar mais velho implica no aparecimento de limitações, de outro é sempre bom lembrar que a mocidade também tem suas limitações e que elas deixam de nos limitar à medida que envelhecemos.

Leia também: Envelhecer é ficar mais velho

Diz a lenda que o grande Nelson Rodrigues rotulava a mocidade como uma doença que o tempo cura.
Não sou tão radical, não considero a mocidade uma doença, da mesma forma que não considero envelhecer um mal em si mesmo.

No mundo, tudo depende, inclusive envelhecer. Tem gente moça muito complicada e tem gente velha muito complicada, ou seja, cada um é cada um e a idade pode não ter qualquer influência no comportamento individual das pessoas.

Se alguém me perguntar se sou capaz de dar salto mortal no trampolim da fazenda, vou dizer que não, que faz tempo que não tenho a menor vontade de saltar do trampolim porque sei que não dá mais.

Leia também: Envelhecer é resgatar a criança

Mas isso não é o fim do mundo, nem me faz melhor ou pior, é apenas uma limitação física sem nenhuma influência no meu dia a dia.

De outro lado, envelhecer tem suas vantagens. A mais importante de todas, é que continuamos vivos. Pense bem, a alternativa é muito pior.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.