Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

As flores, sempre as flores

As notícias ruins como sempre tomam de assalto os microfones das rádios. Ao mesmo tempo, os buracos tomam de assalto as ruas. E os assaltantes, também como sempre, fazem a festa nas esquinas da cidade.

A nós restaria chorar ou entregar a alma a Deus porque o corpo, este já está condenado ao inferno, como contraponto pela graça de vivermos aqui.

São Paulo é cinza, dura e cruel. Todo mundo sabe, ou pelo menos quem habita aqui e compartilha a cidade.

O resultado é o medo como carro chefe das ações ou omissões que fazem as pessoas fugirem das pessoas.

Repare. Ajudar que é bom, pouca gente ajuda. Mas parar para ver o sangue da vítima de um acidente está tão entranhado nos hábitos das pessoas que até o trânsito da outra pista para, hipnotizado pela queda do motoqueiro.

Entre num elevador e diga bom dia. Preste atenção na reação das pessoas. A maioria não responde e os que respondem o fazem encabulados, como se fosse feio desejar bom dia.

É por isso que as flores desempenham um papel de suma importância para a manutenção da sanidade mental da população.

Graças a elas, graças às floradas deslumbrantes que enfeitam São Paulo pelo ano inteiro, nem todos ficam loucos, ou se entregam ao desespero.

Por conta das floradas é possível permanecer relativamente calmo dentro de um automóvel parado no congestionamento. Elas distraem a atenção, trazem pensamentos bons, enganam a demora sem solução. As flores são como as poções mágicas e a mágica evita a explosão.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.