Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

A boa vida da cidade

 

Quem imagina que as aves urbanas passam apertado e que seu sonho de consumo seria retornar para as matas e campos de onde vieram deveria prestar mais atenção na rotina da maioria das espécies, francamente satisfeita com a sorte que Deus lhes deu.

Na região onde moro, os bandos de periquitos de todos os tipos e tamanhos se multiplicam na velocidade com que os ninhos são construídos nos beirais dos telhados.

Leia também: Os pássaros em São Paulo

E os sabiás, ano depois de ano, procuram a jabuticabeira do jardim para fazerem seus ninhos, colocarem seus ovos e verem, felizes, a espécie prosperar, com a possibilidade de se alimentarem e tomarem banho nas tigelas de ração e água da Clotilde. É verdade que a operação apresenta risco… Às vezes, a Clotilde caça um sabiá ou uma pomba, mas o que é uma única ave no imenso rol de sabiás que voam pela cidade? Vale a pena correr o risco!

As rolinhas não têm medo dos humanos. Voam e passeiam à nossa volta com a sem cerimônia de quem sabe que está em casa e que não lhes faremos mal porque não temos razão para isso. Ao contrário do que acontece na zona rural, elas sabem que na cidade ninguém vai colocar milho no chão, se esconder com uma espingarda na mão e atirar quando o bando estiver comendo.

Bem-te-vis, almas-de-gato, cardeais, anus e até garças se misturam aos quero-queros que andam pelos gramados da USP, convencidos que o espaço é seu e que a vida na cidade é muito melhor do que nas matas.

Leia também: Os pássaros no verão

A vida na cidade é tão fácil que até os gaviões deixam de perseguir suas presas para furarem sacos de lixo e se alimentarem sem maiores problemas. A cena está distorcida? Não a cena, é o que é, a vida segue em frente e as espécies que se adaptam têm mais chances de sobreviver.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.