Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

A armadilha

Os índios brasileiros tinham armadilhas extremamente eficientes para caçar e pescar. Não quer dizer que não fossem capazes das maiores barbaridades, como o uso de cipó venenoso para matar toneladas de peixes que deixavam apodrecendo nas margens das lagoas, ou armadilhas que pegavam tudo, de filhotes a peixes grandes. Eram. E não tinham a menor vergonha de tacar fogo numa campina inteira para caçar dois veados que alguém tinha visto pastando por lá dois dias antes.

Entre as armadilhas, como os mundéus, para caça, e os cercos, para os peixes, uma que merece atenção era uma espécie de puçá com a boca larga, que ia afunilando até o peixe não conseguir fazer a volta para conseguir sair.

Cada vez que eu entro na Inácio Pereira da Rocha para subir por trás do cemitério São Paulo, pela Luis Murat, tenho a certeza que quem desenhou a planta da junção desatas ruas tinha sangue índio e gostava de pescar, ou é um sádico, disposto a ver cenas de sangue, pelo esgotamento da paciência de um cidadão mais apressado que fica preso na armadilha que foi montada, seguindo a tecnologia do funil dos índios.

A Inácio vem larga, com duas pistas, enganando a vítima incauta que entra por ela convencida que enganou todo mundo. Não enganou. De repente a situação fica clara e aí não tem mais nada a ser feito, exceto entregar a alma a Deus porque o corpo, este, já foi.

A rua se estreita, vira um funil complicado, com ruas menores desaguando e saindo dela e o resultado é que para tudo, sem apelação ou ponto de fuga.

Nem que pode mais chora menos. Simplesmente não tem o que fazer. Qualquer tentativa de sair dali está condenada ao fracasso, pelo menos até a metade da subida o que também não resolve nada.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.