Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

Os cemitérios de São Paulo

A grande marca do homem civilizado é a necessidade de cultuar seus mortos. Seja enterrando, seja cremando, seja dando outro fim ao cadáver, a morte de um ser humano é um momento de reflexão, de reencontro com o começo de tudo, com a certeza da volta ao pó.

Cada religião, cada cultura, tem uma forma de honrar seus mortos e preservar sua lembrança, como um elo entre presente e passado, sem o qual não há possibilidade de futuro.

Na civilização ocidental moderna a morada dos mortos são os cemitérios, maiores ou menores, espalhados pelo chão, para lembrar que no final, tudo é uma coisa só e que a carne se faz pó para depois servir de começo para uma nova vida.

São Paulo não é exceção. E os cemitérios da cidade se espalham pelos bairros, cada um de um jeito, cada um com uma particularidade que o faz ser o melhor para os diferentes tipos de pessoas.

Os mais modernos seguem a tendência norte-americana e são enormes jardins gramados e arborizados, onde os túmulos se espalham, identificados por pequenas placas ou marcas com os nomes dos mortos.

Os mais antigos seguem o padrão europeu, com túmulos de várias formas e tamanhos, erguidos lado a lado, como uma verdadeira cidade.

Confesso que eu gosto dos cemitérios antigos de São Paulo.

Acho os enormes jardins dos cemitérios mais recentes muito bonitos e sinto neles uma profunda sensação de paz. Mas nos cemitérios antigos, sem jardins e invariavelmente com poucas árvores, me sinto mais próximo dos mortos queridos e tenho a possibilidade de conversar com os que já se foram de uma forma informal e familiar. Por isso eu gosto, entre todos, dos cemitérios da Consolação e de São Paulo.

Siga nosso podcast para receber minhas crônicas diariamente. Disponível nas principais plataformas: SpotifyGoogle Podcast e outras.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.