Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

Antes da tempestade

Os momentos que antecedem as tempestades lembram muito as horas escuras em que o amor duvida do amor e o peito se fecha, sem razão, sem explicação lógica, sem vontade de escutar, porque o mundo é feio e a pessoa amada não nos ama, ou o coração acha que ela não nos ama, ao contrário de todos os sinais.

Primeiro há uma calma que não é calma, mas apenas a tensão surda das forças primárias se acertando para a explosão que ameaça, ameaça, mas demora um pouco mais, primeiro escondendo o sol atrás do escuro das nuvens negras que o vento traz no assobio sibilante anunciando os primeiros pingos que caem grossos, lentamente, um depois do outro.

Depois, nas árvores vergadas, resistindo bravamente à força da natureza correndo alucinada, como as deusas buscando as filhas raptadas pelos deuses nas histórias impressionantes de todas as mitologias.

E as gotas começam a cair mais depressa, mais depressa, numa sequência que se acelera rapidamente, no ritmo do vento crescendo de intensidade, dobrando cada vez mais as árvores mais fracas.

E a chuva desaba, e se transforma em tempestade, em pingos grossos que caem aleatoriamente, trazendo no ritmo rápido as gotas transformadas em gelo, no granizo que despenca do céu numa batucada sem cadência, marcando a terra e pintura dos automóveis com sua vingança sem razão.

A tempestade é a dona da vida durante o tempo que se estende pela terra, sem pena, sem compaixão, sem remorso, rindo dos estragos feitos para marcar sua passagem e mostrar ao homem a inutilidade de qualquer ciência ante da força bruta da natureza mal humorada.

E ela é linda. E hipnotiza, nos fazendo sentir medo da vida.

Siga nosso podcast para receber minhas crônicas diariamente. Disponível nas principais plataformas: SpotifyGoogle Podcast e outras.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.