Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

A mancha

De repente o cinza triste da cidade grande é quebrado por uma mancha roxa que muda a cor do dia e o humor das pessoas.

Saída do nada, escondida atrás de um muro, ela cresce, sobe pelas paredes de tijolo, se espalha pelo dia e se entrega nos cachos deslumbrantes de uma primavera florida fora do tempo.

Da vontade de parar o carro e ficar ali, vendo a planta maravilhosa balançando lentamente seus galhos carregados de flores.

Dá vontade de deixar a vida tocar em frente, enquanto ficamos ali, parados na rua de bairro, quase sem trânsito, vendo a natureza interferir no cotidiano da cidade para fazer mais alegre o dia de quem passa pela primavera e descobre a cor enfeitando o cinza, quebrando a melancolia e mostrando que no mundo ainda há muita coisa que corre solta, essencialmente bela, sem se importar com a beleza ou com a necessidade de correr, porque a vida não para.

Quem foi que falou que a vida não para, que o nosso destino é viver apressado, correndo de tudo e em direção a tudo, atrás não se sabe do que, mas com certeza não atrás da felicidade?

Viver é ver as flores roxas desta primavera fora de tempo, enganada pelas chuvas torrenciais que todos os anos caem nesta época, enganando plantas distraídas e fazendo o dia mais bonito porque as flores destas plantas enfeitam a tristeza do dia.

A cidade é cinza como a alma de quem nunca procurou as flores para continuar tocando em frente. É cinza como a poluição que suja o ar, como o muro pichado, como a mão que se fecha.

Mas ela pode ficar deslumbrante porque, de repente, saída de trás de um muro, uma primavera explode todas as possibilidades.

Siga nosso podcast para receber minhas crônicas diariamente. Disponível nas principais plataformas: SpotifyGoogle Podcast e outras.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.