Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

É bom ser feliz

Todo mundo tem o direito de tentar ser feliz. Quem sabe seja o mais fundamental de todos os direitos humanos. O direito a felicidade é inalienável, intocável, e, como dizia um ex-ministro, imexível.

Ninguém tem o direito de mexer no direito do próximo ser feliz. A felicidade não é uma ilusão, é uma esperança. A mola que toca a vida das pessoas, que as faz acreditar que amanhã, mesmo no meio da tempestade, será melhor.

Sem a esperança de ser feliz o amor não vence, o trabalho não tem porque, a vida perde boa parte da razão. Por que fazer o que quer que seja, se eu não serei feliz, se eu não terei a chance de esperar a felicidade, como a recompensa justa para o meu esforço infernal, na luta diária para tentar viver melhor?

Todos, absolutamente todos, têm o direito de esperar, em algum momento, a chegada da felicidade. Aquele instante mágico em que todo o sacrifício se justifica, porque as coisas tomam um rumo novo, onde a bem-aventurança é o final do caminho, onde a paz é a companheira de todos os dias, onde a harmonia faz a vida correr parelha com alegria, com a sorte, com as esperanças realizadas.

Ser feliz é aspirar encontrar um pedaço do paraíso na terra. É um sonho, mas é um sonho que todos têm o direito de sonhar, ainda que sabendo que é só sonho, e que, como os sonhos, pode ou não se tornar realidade.

Ninguém pode impedir alguém de ser feliz. Mas para se ser feliz é preciso um mínimo, mínimo que é negado a uma parte importante da população brasileira, na falta de saneamento básico, do atendimento à saúde, na educação. É mais que tempo disso mudar.

Siga nosso podcast para receber minhas crônicas diariamente. Disponível nas principais plataformas: SpotifyGoogle Podcast e outras.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.