Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

A mancha ao longe

De repente, sem nenhuma razão especial, você olha para um lado e vê, longe, quase no horizonte curto da cidade, uma mancha destoando do cinza padrão que faz mais triste o cinza do céu e o cinza triste do dia das pessoas que têm medo e passam por essa vida com medo, se escondendo da vida e da possibilidade de ser feliz.

A mancha balança de um lado para o outro como se você estivesse bêbado ou fosse um navio fantasma cortando as ruas de São Paulo, com a mesma probabilidade com que o cinema coloca couraçados enterrados no deserto do Saara.

Roxa ou amarela, ela te chama, amiga, como que querendo dividir a saudade das trilhas do ouro, dos caminhos antigos que saiam de São Paulo, para entrar na terra dos sonhos e arrancar dos Eldorados perdidos no sertão a fama e a riqueza.

Olhando melhor, você deixa a ilusão de lado e percebe um ipê, alegre, dando sua cota de felicidade para fazer mais feliz o dia cinza do qual ele quebra a monotonia, jogando no contexto as cores fabulosas de suas flores amarradas em cachos mágicos, balançando no vento calmo que atravessa a cidade, trazendo para o ipê a saudade das matas distantes de onde seus avós foram arrancados, para enfeitar a monótona rotina das pessoas que moram por aqui.

A mancha é a anárquica, quebra as regras, a expectativa. O certo seria, ali, haver só mais um pedaço de cinza. Mas a árvore se recusa a pactuar com a tristeza, por isso enche o espaço com o roxo ou amarelo de suas flores deslumbrantes. E você pensa:

“Que é a vida sem um toque de anarquia, quando esse toque serve para dar cor ao cinza que muda de cor na alegria do coração”.

Siga nosso podcast para receber minhas crônicas diariamente. Disponível nas principais plataformas: SpotifyGoogle Podcast e outras.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.