Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

Às vezes dói

A gente cai de diferentes jeitos, em diferentes ocasiões. Dos tombos morais aos tombos físicos, a vida é feita de uma enorme sucessão de trombadas e trambolhões os mais inesperados e imprevisíveis, que podem ou não machucar, o corpo e a alma.

No meio do caminho tinha uma pedra, tinha uma pedra no meio do caminho, já dizia o poeta, filosoficamente, com certeza depois de ter dado com o dedão nela, tropeçado e, antes de fazer a poesia famosa, dito pelo menos um palavrão, em homenagem à pedra e ao tombo.

Do mais humilde, ao mais famoso, não há quem já não tenha caído, topado e se machucado, depois de um encontro não desejado que o fez perder o equilíbrio, numa esquina da vida.

De pânico moral, a topada física, as causa do tombo variam com a frequência das ondas quebrando nas praias. Vale tudo e tudo é motivo ou pretexto para a queda.

Na maioria das vezes somos rápidos o suficiente para reencontrarmos o equilíbrio antes do chão. Vai pra lá, vem pra cá, conseguimos nos amparar e não caímos, simplesmente passamos o vexame da tremida e da balançada dos braços, atrás de um apoio para evitar o trambolhão.

Só que às vezes não dá ou não tem, e aí o rumo é o chão, com toda humilhação da queda normalmente patética, aos olhos dos outros. E quando ela dói, dói de verdade, no joelho esfolado ardendo com o antisséptico para evitar uma infecção, ou na alma ferida pela vergonha da queda, ou na cara de bobo com que nos levantamos dos tombos da vida, ainda mais quando são aqueles completamente ridículos, em que caímos numa posição patética, que faz todo mundo rir porque não foram eles.

___
Siga nosso podcast para receber minhas crônicas diariamente. Disponível nas principais plataformas: SpotifyGoogle Podcast e outras.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.