Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

Um outro enfoque na defesa

A grande mudança trazida pelos jesuítas quando chegaram no alto do Planalto foi a forma como olharam sua defesa. O primeiro colégio, pequeno, erguido por Nóbrega ainda em 1553, ficava junto da povoação de Santo André da Borda do Campo. O segundo, inaugurado em 25 de janeiro de 1554, foi erguido em outro lugar, não muito distante, mas com uma diferença brutal. Os padres escolheram um ponto praticamente inexpugnável para colocá-lo e isto fez com que o governador geral do Brasil mandasse a vila de Santo André se mudar, para ficar na mesma região do colégio real, com melhores condições de proteção.

Isto aconteceu em 1560 e daí pra frente São Paulo teve, durante 300 anos, como núcleo duro, ou como centro da vila, a região compreendida entre o pátio do Colégio, o mosteiro de São Bento e o largo de São Francisco.

Ao escolher o lugar para instalar o colégio definitivo, os jesuítas, treinados como soldados inclusive no exercício das práticas militares, o ergueram no alto de uma colina que dominava as várzeas em volta, cercada de rios por três lados e com encostas íngremes o suficiente para dificultar qualquer tentativa de ataque.

E naquela época os ataques não eram sonho, ou uma possibilidade remota. Eles aconteciam, tanto que a vila, mesmo localizada no alto, tinha uma tranqueira de pau e terra, para servir de muralha e última linha de defesa.

Determinada a mudança, os poucos brancos que moravam no planalto levaram a Câmara da antiga vila de Piratininga junto com eles, o que faz com que apesar da nova localização geográfica, pouco distante da original, a vila de São Paulo continue tendo sido fundada em 1532.

 

___
Siga nosso podcast para receber minhas crônicas diariamente. Disponível nas principais plataformas: SpotifyGoogle Podcast e outras.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.