Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

O Solar da Marquesa

O centro velho de São Paulo tem surpresas fantásticas, maravilhosas, apavorantes. É uma das regiões menos conhecidas dos moradores da cidade e, no entanto, foi lá que durante quase 400 anos a vila colonial viveu encarapitada, espremida em suas ruas estreitas, algumas com nomes que ficaram até hoje, como a rua da Quitanda, a rua Direita, que no começo era Direita de Santo Antonio, e a mais que poética rua da Boa Vista, que atualmente tem como horizonte os prédios altos dos dois lados da rua.

Alguns prédios valem a visita, outros, entre eles a maioria dos que rodeiam a praça da Sé, não tem qualquer valor histórico ou arquitetônico, exceto mostrar uma região degradada e como a cidade evoluiu de vila a metrópole, em menos de 100 anos.

Entre os monumentos mais ou menos preservados está o Solar da Marquesa de Santos, construção do século 19, quando Dona Domitila de Castro, ex-amante do imperador e grande dama paulista, então já casada e mãe, habitava praticamente ao lado do colégio dos Jesuítas, no coração do coração da cidade, que era onde moravam as pessoas de bem paulistanas.

O Solar vale a visita, mesmo estando longe das dimensões palacianas de algumas casas do Rio de Janeiro, de Recife e de Salvador.

Aliás, é por isso mesmo que ele vale a visita. Em suas linhas simples, em seu tamanho acanhado para casa da mulher mais importante do pedaço, nas paredes grossas e rústicas ainda preservadas e a mostra, surge uma cidade pobre, longe da grandeza da corte, onde a vida era dura e a fortuna difícil, carregada pelas tropas de burro que seus moradores tangiam do sul para o norte, abastecendo o interior do país.

 

___
Siga nosso podcast para receber minhas crônicas diariamente. Disponível nas principais plataformas: SpotifyGoogle Podcast e outras.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.