Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

Cada um de nós pode ajudar

Tem muitas pessoas que precisam

Agora que estamos mais em casa do que nunca, podemos aproveitar este tempo para avaliarmos o que de fato precisamos para as nossas vidas. Aquela roupa que usamos muito pouco, ou que nem sequer foi tirada a etiqueta, sapatos em bom estado de uso, roupas de cama e de banho, e por que não móveis e brinquedos? Com certeza, eles são preciosos para quem mais precisa. É tempo de solidariedade, é tempo de doar. E isto é uma via de mão dupla, faz bem para quem dá e para quem receber.

Na correria do dia a dia, estamos tão atarefados que mal paramos para pensar no próximo. Há pessoas que já têm o hábito de doar e tem outras que não. Neste momento de confinamento, é hora de nos unirmos e ajudarmos os outros. Sempre tem aquela roupa e um sapato que não usamos há um bom tempo e que ficam nos nossos guarda-roupas por puro apego ou por esquecimento. Bem como móveis, objetos e brinquedos que podem fazer a felicidade de muitos.

Além de liberar espaço nos armários e nas gavetas, estudos mostram que fazer doações estimula a região do cérebro que nos dá prazer, afinal, o que pode ser melhor do que sabermos que um pequeno gesto pode melhorar a vida de outra pessoa? Para isso, não precisamos sair de casa, ainda mais agora que o momento é de isolamento social. Há várias instituições que recolhem as doações nas nossas casas.

Então, aproveite esse tempo para garimpar o que não tem mais tanta importância, pratique o desapego, mas lembre-se que ao doar, os itens têm que estar em bom estado de uso e limpos. Infelizmente, muitas doações não podem ser aproveitadas por estarem estragadas ou sujas. E o que queremos com esse ato é exatamente que outra pessoa faça bom proveito, o que também fará bem para nós.

Você pratica a doação? Compartilhe:

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.