Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

Mercado de flores

Elas dão mais vida às nossas casas

O Brasil é o 8º maior produtor de flores do mundo e o Estado de São Paulo detém a metade da produção nacional. Por aqui, podemos encontrar as mais variadas espécies para alegrar as nossas casas. Rosas, astromélias, lírios, orquídea, margaridas, flores do campo e cravos, entre tantas outras que fazem parte de uma lista para todos os gostos. Muitos paulistanos tinham o hábito de comprar flores nas feiras livres, mas isso teve que mudar.

Atualmente, apenas no Ceasa de São Paulo, nos supermercados e nas lojas especializadas online é possível comprar flores. No início da pandemia, as perdas em todo o país chegaram a 90% do total, milhões de flores foram para o lixo ou viraram adubo, um percentual que posteriormente se estabilizou em 60%. São cerca de 8,3 mil produtores no Brasil que sofreram perdas imensas, principalmente no Estado de São Paulo.

Tão grandioso também é o quanto a cadeia produtiva de flor movimenta, algo em torno de R$ 8,27 bilhões por ano e mais de um milhão de empregos diretos e indiretos. Em todo o país existem aproximadamente 26 mil floriculturas, muitas tiveram que se reinventar, aderindo ao comércio eletrônico ou ao delivery. O comércio de flores ainda levará um tempo para voltar ao normal e ele depende de nós para se manter.

Para quem não vive sem flores, apesar do cenário atual, ainda é possível encontrá-las, como nos lugares que citei acima. As nossas casas agradecem e a vida fica mais colorida com elas. Afinal, quem é que não gosta de ganhar flores? Um presente que não sai de moda e junto as elas vêm sempre um sorriso, de quem dá e de quem recebe, mesmo que isso seja temporariamente de forma virtual.

Você tem o hábito de comprar flores? Compartilhe:

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.