Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

Comércio em São Paulo

Lojistas defendem ampliação do horário para melhorarem as vendas

Há pouco mais de duas semanas desde a reabertura do comércio em São Paulo, 6 em cada 10 lojistas repararam que 70% dos comércios já se adequaram as obrigações acessórias sanitárias do Plano SP e 30% estão em processo de adequação, conforme pesquisa realizada pela FCDLESP (Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Estado de São Paulo), com a participação das principais Câmaras de Dirigentes Lojistas do Estado de São Paulo. Outra constatação é que o período de quatro horas de funcionamento é pouco, quando o ideal seriam as oito horas.

Esse período mais ampliado de funcionamento das lojas, na opinião dos lojistas, seria para ter uma boa distribuição dos clientes e vendas durante o dia.

Diante desse cenário, cinco em cada 10 lojistas preveem a retomada do horário de funcionamento de 8 horas antes de 30 de junho, 30% dos comerciantes a partir de 1 de julho e 20% restantes dos empresários consideram a normalidade após 15 de julho.

Em relação às vendas, 80% dos comerciantes preveem um cenário pouco otimista, pois não obtiveram resultados além do esperado em praticamente 14 dias da reabertura. Porém, 20% dos lojistas começaram a notar uma certa estabilidade após a retomada das atividades. Além disso, os empresários relatam que metade dos clientes, considerando o volume antes da pandemia, estão circulando nas ruas, mas poucos entram nas lojas para fazer compras.

Apesar das regiões de Barretos, Presidente Prudente e Ribeirão Preto, Marília a Registro estarem na fase mais restrita, pela pesquisa, até o final de junho, os lojistas têm perspectivas positivas para o cenário econômico do varejo: 7 em cada 10 comerciantes preveem o crescimento nas vendas para estabilizar o percentual negativo dos últimos tempos, 20% presumem um aumento de 5% nas vendas, e outros 10% supõem upgrades nas vendas de 7%.

Você já está frequentando o comércio? Compartilhe:

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.