Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

A volta do turismo

Sem data marcada, algumas agências apostam nas vendas antecipadas

O setor de turismo foi um dos mais impactados pela pandemia. Ele envolve mais de 50 setores da economia e o Brasil é a 10ª maior indústria de turismo do mundo. A capital de São Paulo, palco dos principais eventos internacionais que acontecem no país, também sentiu fortemente os impactos. Ninguém sabe ao certo quando voltaremos a viajar, e mesmo quando isso vier a acontecer, especialistas já preveem que haverá mudanças. A começar que a recuperação do turismo será em etapas.

Inicialmente, a escolha será para destinos próximos, com carro próprio. Em um segundo momento, viajaremos para destinos nacionais e quando a pandemia estiver controlada, também para outros países. As escolhas também devem mudar e a tendência é as pessoas optarem por destinos menos procurados, a fim de evitarem aglomerações. Segundo a Organização Mundial do Turismo (OMT), após Covid-19 os mais procurados serão o turismo rural, turismo de natureza, bem-estar, ecoturismo, turismo de aventura e turismo gastronômico.

Outra mudança que deve ocorrer é na forma das agências comercializarem pacotes. Como uma forma de incentivo às reservas, algumas já oferecem opções flexíveis de troca ou cancelamento e até de mudança de destinos para o período pós-coronavírus. E as entidades do setor se uniram e criaram o Movimento Supera Turismo Brasil, o objetivo é levar uma mensagem de otimismo e contribuir com a reconstrução do setor.

Entre as iniciativas, o movimento propõe divulgar as viagens de forma compartilhada com o maior número de pessoas engajadas e orientar o maior número de viajantes sobre cuidados nas viagens pós-retomada. E também,
formar redes colaborativas de apoio à divulgação de fatos e opiniões sobre como viajar enriquece a vida das pessoas. E quem é que não gosta de viajar?

Qual é o seu destino preferido? Compartilhe:

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.