Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

Um ponto de atenção

Estatísticas de roubos de celular aumentam com a abertura

Bastou começar a flexibilização da economia que o número de roubos de celular no Estado de São Paulo voltou a chamar a atenção. Depois de dois meses de queda acentuada, em junho ela foi bem menor, como mostra um estudo feito pelo Departamento de Pesquisas em Economia do Crime da FECAP, Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado. No primeiro semestre foram cerca de 70 mil ocorrências, quase 40 mil delas registradas na capital. Um número que pode ser bem maior devido às subnotificações.

O estudo não considera boletins incompletos ou com erros e há ainda muitas vítimas que não fazem o boletim de ocorrência. Pelo balanço, nos meses de abril e maio o número de roubos de celular tiveram uma redução de 55% e de 58%, já no mês de junho, a queda foi menor, de 32%. Todos eles quando comparados aos mesmos períodos de 2019.

Apesar do primeiro semestre ter registrado um número 38% menor de roubos de celular do que no primeiro semestre de 2019, o resultado do mês de junho mostra que as taxas de roubo já se elevaram. Um alerta para que as pessoas prestarem mais a atenção quando estiverem nas ruas. Inclusive, o estudo mapeou quais são os bairros da capital com o maior número de ocorrências.

O primeiro lugar ficou para o Grajaú, seguido pelo Capão Redondo, Itaim Paulista e República. Quanto à localidade, a avenida Paulista é a campeã, seguida pelas avenidas Cruzeiro do Sul, Sapopemba, Ragueb Chohfi e a Brigadeiro Faria Lima. Curiosamente, o período de maior ocorrência de roubos é similar em todo o Estado de São Paulo. Eles acontecem principalmente à noite, seguido pelo período da tarde e de manhã.

O que você faz para se prevenir? Compartilhe:

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.