Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

O futuro da mobilidade

Veremos um aumento da frota de automóveis nas ruas?

Se antes os carros eram vistos como vilão, com a pandemia, muitos estão dando preferência ao transporte individual. Segundo a 21ª edição “Pesquisa Global com Executivos do Setor Automotivo 2020” (Global Automotive Executive Survey 2020, em inglês), conduzida pela KPMG, o movimento de aversão ao transporte público começou na China, primeiro país a retomar. Lá a preferência foi pela aquisição de veículos usados e seminovos, uma tendência que já tem sido observada no Brasil.

Atualmente, a frota de automóveis na cidade de São Paulo é de cerca de 9 milhões de unidades. Antes da pandemia, quase 80% dos paulistanos utilizavam aplicativos de mobilidade e a capital ocupava o 8º lugar no ranking entre 31 metrópoles dos cinco continentes que mais utilizavam essa forma de transporte, segundo uma pesquisa da Kantar. Com a pandemia, os motoristas de aplicativos viram o movimento despencar.

Por outro lado, no primeiro semestre deste ano, para cada novo carro vendido, cerca de quatro usados foram negociados. E ainda que a venda do segmento de novos esteja em passos lentos, depois de uma queda recorde registrada em abril, nos quatro meses seguintes ela apresentou uma recuperação. Somente em julho, a alta foi de 31,4% em relação ao mês anterior e a capital paulista respondeu por aproximadamente 31% das vendas nacionais.

Outro movimento que também pode acontecer no Brasil, a exemplo do mercado europeu e do americano, é ganhar força o modelo de assinatura de veículos, o que é diferente do modelo de locação, já que o usuário aluga por um período maior. Seja qual for a escolha, a mobilidade urbana tende a mudar. E dois outros fatores também vão contribuir para isso: o aumento do trabalho remoto e, consequentemente, alguns vão optar por morar em cidades próximas à capital. O que também vai demandar meios de transporte.

O que você acha que vai mudar? Compartilhe:

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.