Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

Menos jovens envolvidos em acidentes de trânsito

Por outro lado, aumentou a participação dos que estão na faixa de 35 a 44 anos

Nos últimos anos, diminuiu o número de jovens envolvidos em acidentes de trânsito. Segundo um levantamento da Seguradora Líder, administradora do Seguro DPVAT, as indenizações pagas a acidentados com idade entre 18 e 24 anos vêm caindo gradativamente desde 2015, quando a faixa etária representava 23,1% do total de benefícios concedidos pelo DPVAT. Em 2019, os jovens correspondem a 20,2% dos seguros pagos.

Por outro lado, no mesmo período, passou de 19,6% para 21,8% o total de indenizações pagas às vítimas na faixa de 35 a 44 anos. Essa mudança de comportamento no trânsito pode ser explicada por alguns fatores, como o desinteresse do jovem em ter o seu próprio carro, tanto que segundo dados do Detran, em dezembro de 2015, o país tinha 2.989.523 motoristas habilitados na faixa entre 18 e 21 anos. No final de 2019, esse número caiu para 2.516.346.

Outra explicação é o envelhecimento da população. Pelos dados do IBGE, a distribuição por grupos etários do país apresentou uma queda na proporção de pessoas abaixo de 30 anos de idade. Enquanto em 2012 a estimativa era de 47,7%, em 2019, caiu para 42,3%. Já a população acima dos 30 anos subiu de 52,4% para 57,7%.

Com a Covid-19, talvez as pessoas deem preferência ao transporte individual. Inclusive na crônica da semana passada, eu mencionei uma pesquisa do instituto Capgemini que identificou um aumento do interesse pelo carro próprio. A torcida que fica, caso isso aconteça, é para que o número de acidentes não aumente e que haja uma conscientização maior sobre as regras de trânsito para que todos possam conviver em harmonia.

Como tornar o trânsito mais seguro? Compartilhe:

Siga nosso podcast para receber minhas crônicas diariamente. Disponível nas principais plataformas: SpotifyGoogle Podcast e outras.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.