Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

Uma nova relação com a casa

Pesquisa revela o que mudou na percepção dos brasileiros

A pandemia mudou alguns dos nossos hábitos e um deles, sem dúvida, foi a nossa permanência por mais tempo em nossas casas, principalmente no período de isolamento social. Para entender como mudou a relação do brasileiro com o seu lar, a Hibou, instituto de pesquisa e monitoramento de mercado, fez uma pesquisa que contou com a participação de 1.537 entrevistados em todo o país. A principal constatação é que grande parte (49%) está menos satisfeito com o local onde vivem.

Por outro lado, as mudanças impostas pela novo coronavírus resultaram em novas percepções: espaços confortáveis hoje estão no topo do desejo dos brasileiros para suas casas. Pela pesquisa, 57% dos brasileiros redescobriram a sala de estar, 36% o próprio home office, e 41% deles querem manter a cozinha como ponto de encontro para momentos em família.

No grau de insatisfação com seus lares, 81% afirmaram que a área de serviço precisa ser maior para os devidos cuidados com os alimentos que chegam da rua e 66% não têm espaço suficiente para guardar produtos de limpeza. Para 45% dos entrevistados, cozinha integrada com a sala favorece um ambiente único para toda a família e 78% consideram que ela merece um olhar especial para ventilação e exaustão.

A pesquisa também revelou que 40% acreditam que o uso das áreas comuns vai diminuir. Apenas 41% acham que o playground deve continuar a ser usado e 27% ainda pensam em usar a lavanderia coletiva. Sobre conectividade, 41% gostariam que os imóveis já viessem com fornecimento de internet de alta capacidade e 30% acreditam que eletrodomésticos integrados são um caminho sem volta. E, ainda, 44% querem continuar acompanhando lives na internet.

O que mudou no seu lar? Compartilhe:

Siga nosso podcast para receber minhas crônicas diariamente. Disponível nas principais plataformas: SpotifyGoogle Podcast e outras.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.