Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

A percepção da cidade

Nessa grande metrópole, o que falta é a colaboração de todos

Em muitos bairros de São Paulo, os moradores estão tendo a sensação de que as coisas pioraram, as ruas estão mais escuras, o policiamento diminuiu e o matagal invadiu as praças locais. Também as calçadas estão mais esburacadas, bem como os fios dos postes continuam tomando conta de parte delas, dificultando o trânsito dos pedestres. E no trânsito, nem se fala, entregadores de delivery transitam ligeiramente pela contramão e desrespeitando, inclusive, o farol vermelho.

Estamos vivendo um momento em que parece que é cada um por si. Infelizmente, essa é a realidade para muitos de nós paulistanos. Se no início a pandemia apontava que a solidariedade aumentaria, as pessoas ficariam mais amáveis, olhando e respeitando mais o próximo, com o tempo, isso não se confirmou. Basta ver como as pessoas estão dirigindo, como se não houvesse amanhã. Mais grave ainda é a situação dos motoboys, que na ânsia por agilizarem as suas entregas, arriscam suas vidas e de outras pessoas.

E pelas ruas da cidade de muitos bairros, lixo é o que não falta. E isso não por culpa dos garis ou dos lixeiros, mas da própria população. Muitas vezes, a lixeira está disposta no poste e as pessoas simplesmente ignoram a sua existência. Pior ainda são os que passeiam com seus cachorros e nem se dão ao trabalho de catarem o cocô, achando que isso é um tremendo sacrifício.

Se queremos uma cidade melhor, isso começa com cada um de nós. Fazendo a nossa parte, exigindo os nossos direitos, respeitando e pensando no próximo. Como sempre digo, o princípio de tudo é a educação e isso, sem dúvida, começa em casa com os exemplos que temos.

Qual é a sua percepção? Compartilhe:

Siga nosso podcast para receber minhas crônicas diariamente. Disponível nas principais plataformas: SpotifyGoogle Podcast e outras.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.