Acho que morri

Primeiro foi um barulho longe, como se as forças afegãs avançassem madrugada a dentro, bombardeando São Paulo, para um assalto coordenado por forças rebeldes lutando contra os rebeldes. Depois ele percebeu que era só o telefone e que o barulho aumentava porque tinha ido dormir tarde e não fazia tanto…

Continuar lendo

Pulando que nem cotia

Quando perguntavam para meu tio Roberto Cerqueira Cesar como ele ia, a resposta era, invariavelmente: “pulando que nem cotia”. Era a forma dele definir as dificuldades da vida e a força que nós temos que fazer para tocar em frente da melhor forma possível, especialmente quando o tempo está fechado…

Continuar lendo

O que fazer com o matagal?

Praças com aspecto de abandono não são raras em São Paulo Quem frequenta as praças da cidade ou mora próximo de uma delas, sabe o quanto a grama alta e a falta de manutenção incomodam. Não só pela sujeira que fica, mas pela proliferação de mosquitos, o que é um…

Continuar lendo

Quem vai, vai ou não

Quem vai, vai. É a lógica do ato de ir, mas, como diria um português meu amigo, pode ser que não. Ter intenção de ir não significa que o interessado foi. Há dezenas de razões para alguém querer ir e não ir. Desde perder a vontade até ser impedido, além…

Continuar lendo

Parabéns para o muro

O muro da USP fez aniversário. Um ano. Se alguma obra em São Paulo, entre as dezenas de barbaridades de todos os tipos, merece o título de monumento ao absurdo é o muro da USP. Ainda que construído com participação, apoio e consentimento da melhor universidade da América Latina, o…

Continuar lendo

O galo da madrugada

São Paulo é uma cidade gigantesca em todos os sentidos. A área é imensa, a população é das maiores do mundo, o PIB impressiona. Mas a cidade vai muito além dos indicadores comuns. Com certeza, temos muito mais ratos do que seres humanos e mais baratas do que ratos. Até…

Continuar lendo

Relógios

Quem se lembra do relógio da Willys, que depois virou relógio do Itaú e ficava em cima do Conjunto Nacional? As batidas do relógio do Mosteiro de São Bento serviam para marcar as seis da tarde nas rádios que tocavam música caipira, muito antes de serem rebatizadas de sertanejas. Apesar…

Continuar lendo

Caixa de ferramentas

Ninguém discute, o uísque é importante. O vinho é importante. A cerveja é fundamental. Como são fundamentais os copos, as taças e as canecas, porque sem elas fica difícil beber. Ninguém discute, um bom colchão é meio caminho para uma boa noite de sono. Como também são importantes os lençóis…

Continuar lendo

O espaço diminuiu

Fenômeno no Japão, os apartamentos estão cada vez mais compactos Na última década em São Paulo, o tamanho dos imóveis diminuiu cerca de 30%. E o que tem sido observado é um salto gigantesco nas vendas de apartamentos com até 45 m². Cada vez mais compactos, tem incorporadora que já…

Continuar lendo

As paineiras continuam aí

As paineiras este ano entraram em cena mais cedo, mas estão querendo sair mais tarde. Várias delas continuam firmes e fortes e com suas floradas em forma, enfeitando a vida de quem passa perto. Desde menino sempre gostei das paineiras. Na fazenda de Louveira, na época em que os frutos…

Continuar lendo