No peito da professora

Joana é professora, Taís é professora, Marlúci é professora, milhares de Joanas, Taíses e Marlúcis são professoras. Dão aulas nas redes pública e privada, se esforçam para ensinar, estudam e aprendem para ensinar, dedicam suas vidas a ensinar. Do maternal à faculdade, todas, cada uma no seu quadrado, dedicam a…

Continuar lendo

Os pedestres

Os pedestres, mesmo parecendo, não são pinos de boliche, para serem derrubados num strike. É verdade que às vezes eles fazem força para ajudar o motorista a conseguir a façanha, mas, de qualquer forma, eles não são peões de boliche e por isso não devem ser derrubados como acontece com…

Continuar lendo

A crueldade das ruas

Eu já sabia dos riscos, mas a explicação que um amigo me deu me encheu de dó, não só por ele, mas pela destruição implícita de uma máquina feita para dar prazer e encher o olho da gente com sua beleza e perfeição. Poucas máquinas no mundo são tão belas…

Continuar lendo

Vai piorar

As mudanças climáticas estão aí, neste momento mais evidentes nas ilhas gregas, que queimam sem qualquer controle, mas também comendo soltas em todas as regiões do planeta. As altas temperaturas no Canadá e nos Estados Unidos e as baixas temperaturas no Brasil são a prova de que as coisas vão…

Continuar lendo

A vez dos sabiás

Nada é mais metódico e ao mesmo tempo mais belo do que os movimentos da natureza. Cada passo segue o outro, ano após ano, num movimento de eterna rotina, mas sempre diverso, sempre de outro jeito, ainda que parecendo o mesmo. Por exemplo, os sabiás, todo começo de setembro começam…

Continuar lendo

Adeus Sérgio Mamberti

Ter amigos faz a diferença. Nesta vida, um bom amigo é um tesouro mais rico do que pedras preciosas, dinheiro ou bilhete de loteria. Um amigo não tem preço, bate todas as altas da Bolsa, ganha dos títulos do governo e da inflação causada pelo desgoverno. Eu tenho sorte. Eu…

Continuar lendo

Ninguém tira a democracia do peito do brasileiro

Quando se fala em democracia, é necessário, antes de tudo, a contextualização do tema no tempo e no espaço. A palavra é de origem grega e define o regime político de Atenas, onde, numa população de mais ou menos duzentos e cinquenta mil habitantes, apenas quarenta mil, os cidadãos atenienses,…

Continuar lendo

A garça solitária

São Paulo é a cidade do imprevisto, do inusitado. Aqui as coisas acontecem sem pedir licença, causando o máximo de espanto no mínimo de tempo. Tudo é possível. Até o impossível. Assim, não poderia ser diferente com o céu da cidade. Nele também teria que acontecer o improvável, se não…

Continuar lendo

Orografia

Firmes, as duas montanhas se erguem paralelas, lado a lado, desafiando o céu, no final da campina que suavemente sobe em direção às suas bases. Cônicas, como vulcões adormecidos que, com certeza, um dia voltarão a explodir o magma da vida, elas, do alto de seus belos picos observam a…

Continuar lendo

As borboletas e as matas

As borboletas amam as matas. É nelas que elas crescem, aprendem a voar e, depois, um belo dia, deixam a proteção das sombras densas para se aventurarem no ar claro do dia sob o sol, arriscando a vida, na sanha dos pássaros e dos caçadores de borboletas, que as procuram…

Continuar lendo