A névoa

A névoa é marca registrada de São Paulo. Ou melhor, a neblina era marca registrada da cidade. Mas a neblina tradicional, aquela que era densa de quase ser cortada com faca, acabou faz tempo. Foi substituída por uma névoa que normalmente nem de longe lembra o cenário de filme de…

Continuar lendo

A pitangueira chegou antes da hora

  Não me pergunte o porquê, eu não sei. De verdade, eu não sei. Não faço a menor ideia do porquê a pitangueira decidiu chegar antes da hora e carregar seus galhos de frutas, sem combinar nada, nem avisar as amoreiras, que tradicionalmente sempre deram frutos antes das pitangueiras. Tem…

Continuar lendo

O dinossauro e o balé

O bailado segue pelo céu como se um enorme palco fosse montado só para mostrar a graça e a poesia do voo das grandes aves. Para cá e, depois, lentamente para lá, subindo e descendo ao sabor das correntes aéreas que mudam o rumo das aves caprichosamente, fazendo com que…

Continuar lendo

Selene e seus planetas

  Os planetas têm luas que giram ao seu redor, mas nesta época, de inversão total da inversão invertida de tudo que está ao contrário, a lua cheia – Selene – decidiu que era hora de mudar o jogo e aparecer no céu como a curva fora do ponto, com…

Continuar lendo

Pandemia é pandemia

  Pandemia é pandemia e pandemia é pandemia. Nenhuma pandemia é igual a outra, ou melhor, a pandemia é uma só, mas a forma de lidar com ela nunca é igual, nem dentro dos países, nem entre os países. Cada um sabe de si. A China, onde tudo começou, fechou…

Continuar lendo

A cidade viva

A cidade é uma força viva, com vontade própria que avança planalto a dentro, para todos os lados, engolindo várzeas, campos, montes e vales, com a sem cerimônia de quem se sabe grande e forte, mas não percebe que sua fraqueza está justamente no tamanho e na ilusão da força….

Continuar lendo

Veio, venceu e foi embora

  Quando esta crônica for ao ar, eles já não estarão mais floridos. A florada dos ipês brancos é rápida. Deslumbrante, mas rápida. Quem sabe por ser deslumbrante ela é rápida. A beleza levada ao último movimento pode ser sufocante, fazer mal, confundir os sentidos. Leia também: O show dos ipês…

Continuar lendo

Parece que está melhorando

  É verdade, a maioria não sabe nada e, quem sabe, sabe muito pouco. O coronavírus se espalhou pela terra, mas não contou quem é. Simplesmente chegou, deu as caras, viajou ao redor do mundo, entrou de sola na vida das pessoas: assustou, matou, enlutou milhares de famílias; levou centenas…

Continuar lendo

Beleza e poesia

Nem sempre a poesia é bela, mas a beleza tem sempre poesia. Seja na natureza, na nossa vida, nas pessoas em volta, pode haver beleza, ou não, mas, havendo há também, obrigatoriamente, pelo menos um pouco de poesia. Poesia que se confunde com os sentimentos e os realça, como a…

Continuar lendo

O tempo e a gripe

O tempo em São Paulo é tão incerto quanto as grandes paixões de carnaval. Pode durar um dia, uma hora, ou simplesmente levar os meteorologistas à loucura, mudando em 15 minutos só para implicar. Ninguém sabe para que lado vai ou de que lado vem. É para acontecer de um…

Continuar lendo