A vez das sibipirunas

  É interessante, mas não se fala muito sobre elas. E, no entanto, estão aí, firmes e fortes, floridas, com suas flores miúdas amarelas. São árvores imponentes, que crescem bastante e estão espalhadas pela cidade, plantadas principalmente nas calçadas dos bairros residenciais. Seu verde claro se destaca na paisagem e,…

Continuar lendo

Bicicletas e bicicletas

Aos poucos as bicicletas vão se tornando figura comum na paisagem urbana da cidade grande. Cada vez mais as vemos nas ruas, nas praças e até nas estradas, com ciclistas de todos os tipos, vestidos de todos os jeitos, pedalando magrelas de todas as cores e marcas, como se as…

Continuar lendo

A cor de teus olhos

Alguém reparou na cor dos olhos da menina parada no sinal, pedindo esmola, com ar triste e cara cansada? Alguém prestou atenção e viu que eram verdes da cor das ondas do mar num meio dia de verão? Que eles eram lindos e ainda brilhavam, desafiando o cansaço e o…

Continuar lendo

A vida tem pegada

Há muito tempo que eu tenho saudade da época que ser herói era fácil e reformar o mundo uma mera consequência. A vida corria mansa, razoavelmente protegida contra suas agruras e mantida num nível bom primeiro por uma mesada generosa e depois pela chance de começar cedo, amparado por boas…

Continuar lendo

Como anda sua fé

  Luciano Fleury é quase primo. É primo dos meus primos, por isso frequentava a casa de minha avó Wilma, na Rua Jandaia. Músico, meu colega de faculdade de direito, companheiro de noite, parceiro de música e poesia, é amigo da vida inteira. Por isso não estranhei quando, na hora…

Continuar lendo

As pombas enganam

Tem gente que acredita que as pombas são o símbolo da paz. Provavelmente a ideia vem da Bíblia e do ramo de oliveira que a pomba que Noé soltou trouxe de volta para a arca, informando em nome de Deus que o Dilúvio tinha acabado. O problema é que as…

Continuar lendo

Os ipês amarelos

  Os ipês amarelos são disciplinados. Esperaram as últimas flores dos ipês brancos cobrirem de neve as calçadas para entrarem com tudo, substituindo o branco dos natais nórdicos pelo amarelo dos Eldorados arrancados das lendas pela saga dos bandeirantes. Lagoa Dourada, Paraopeva, Martírios, Serra de Prata, Sabarabuçu, Goiás e as…

Continuar lendo

Os entregadores de aplicativos

  São Paulo não parou durante os primeiros meses da pandemia porque, entre secos e molhados, eles estavam nas ruas, com suas motos, bicicletas e patinetes, os caixotes nas costas, entregando, entregando, entregando… Os entregadores de aplicativos são heróis tão importantes para a vida da cidade quanto os profissionais de…

Continuar lendo

Teu sorriso

Teu sorriso tem qualquer coisa de mágico. Na época em que as agulhas imantadas ainda não eram cientificamente compreendidas e apontar sempre na direção da estrela mais brilhante tinha que ter uma explicação divina. Teu sorriso atrai meus olhos com a força do imã puxando para si um pedaço de…

Continuar lendo

Os pernilongos reconquistam seu império

  Não é verdade que São Paulo é dos paulistas. São Paulo é dos pernilongos. E se alguém tem dúvida é só chegar na região do Rio Pinheiros e sentir na pele a sangria desatada da picada dos mosquitos. Nada de novo debaixo do sol. Faz tempo que é assim….

Continuar lendo