Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

A CET não se corrige

Entre as várias mensagens que eu recebo da CET tentando explicar o inexplicável e invariavelmente colocando a carapuça, uma das informações mais comuns é que a CET, em respeito ao contribuinte, reduziu as pegadinhas para multar os motoristas.

Quem circula por São Paulo sabe que isso não é verdade. É só olhar a quantidade de marronzinhos espalhados pelas pontes e viadutos, com seus radares portáteis multando os motociclistas, para se ter certeza que não é verdade.

A discussão aqui não é se os motoqueiros são ou não são uma ameaça ao trânsito, a discussão passa pela forma como eles são autuados, com agentes escondidos, estrategicamente colocados para multá-los.

Mas não é só aí que é possível ver como a CET age para engordar o caixa da Prefeitura e fazer a festa com os salários dos funcionários garantidos pelas multas.

Você pode se interessar:

A quantidade de ruas em que a velocidade muda sem qualquer razão é assustadora. De repente de 50 cai para 40 e em seguida é 30 quilômetros por hora, sem que a rua tenha sofrido qualquer modificação de traçado ou tenha um cruzamento mais complicado ou qualquer outra razão que justifique as diferentes velocidades.

Mas a explicação é simples e pode ser vista na quantidade de radares colocados logo depois da placa com a nova velocidade.

Dizer que isso não é feito para multar é tão ridículo como tentar acalmar bebê colocando a fralda molhada na sua boca. Ou imaginar que o paulistano acredita em Papai Noel jogando bolinha de gude com o Coelhinho da Páscoa.

O que a CET quer é multar. Arrumar o trânsito não interessa, até porque, se fizer isso, automaticamente o número de multas cai.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda à sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Ouça esse conteúdo:

 

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.