Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

Subindo de ré

Outro dia dei com um Simca Chambord na Avenida Sumaré. O carro estava inteiro, completo e impecável, com a chapa preta dos colecionadores.

Ao ver o carro disputando espaço com os carros atuais, senti um misto de carinho e saudade. Não vontade de voltar no tempo, para os anos 1960, mas das histórias daquela época, em que discussões intermináveis varavam a noite, regadas a Old Eight, para estabelecer se o Simca era melhor que o Aero Willys ou vice-versa.

Leia também: Simca Chamboard x Aero-Willys

Os dois eram os carros de luxo da época. Tinha Fusca, Gordini, DKW, mas estes eram carros sem maiores luxos. Os legais, os topos de linha, eram o Aero Willys e o Simca.

O Simca tinha motor V8 e o Aero Willys motor de 6 cilindros. Diz a lenda que o Simca andava mais, mas, se é verdade, também é verdade que o Simca não era muito resistente e também não era famoso pela força.

Leia também: Quem precisa de garagem?

Tio Júlio Salles e tio Lula tinham Simca; meu pai, tio Chiquinho e tio Paulo tinham Aero Willys.

Enquanto isso, tio Julinho ia de Mercedes, Tio Júlio Neto de Ford Comet, tio Ruy de caminhonete Ford F 100 e tio Caco de JK.

Sem querer desmerecer o Simca, até hoje me lembro de uma vez em que tio Lula estava com a molecada no seu Simca e, para chegar na sua casa, tinha que subir uma ladeira íngreme nas encostas do Pacaembu.

O carro precisou subir de ré, com todo mundo dando gargalhada, porque, de frente, o motor não tinha força para chegar no topo.

Para quem acha que o mundo automobilístico brasileiro acabava aí, vale lembrar algumas preciosidades como o Karmann Ghia e os Willys Interlagos, os carros-esporte nacionais, capazes de rodarem, no máximo, incríveis cento e poucos quilômetros por hora.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.