Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

Doar sangue não dói e faz bem

 

Mais uma vez, os estoques de sangue da rede hospitalar paulistana estão baixos, bem abaixo do que seria o mínimo num quadro de segurança.

Fim de férias, frio, o momento do ano não ajuda, por isso mesmo, você precisa ajudar. Não adianta ficar na torcida, esperando que o outro faça.

Faz alguns dias, conversando com um amigo que precisava uma ajuda, eu disse que estava difícil e ele me respondeu: “Não se preocupe, vou torcer muito por você. Tenho certeza que você consegue”.

Leia também: Não espere do outro o que o outro não pode dar

Não tenho nada contra torcerem por mim. Faz bem, são energias positivas e, quanto mais energia positiva, melhor.

Mas acredito que, além das energias positivas – que, eu insisto, aceito com muito gosto -, fazer concretamente o que precisa ser feito costuma ser mais eficiente.

A regra se aplica a doar sangue. Doar sangue costuma ser mais eficaz do que ficar na torcida para os outros doarem sangue.

Os outros doarem sangue faz bem, dá uma certa tranquilidade, quase a certeza de que vai ter se precisar. Mas pode faltar.

E precisar é dessas coisas que ninguém consegue saber muito bem quando será. Pode ser hoje, amanhã ou nunca. Mas é melhor ter do que não ter e, para ter, alguém, ou muitos, têm que arregaçar as mangas, esticar o braço, mostrar as veias e deixar enfiarem uma agulha.

Leia também: Doar sangue faz bem e salva vidas

Pode parecer cruel, tortura de comunista para arrancar os segredos do agente da CIA, mas não é. Não dói, não atrapalha o resto do dia e faz bem pra alma.

Faz bem pra alma, pro espírito e pra consciência, que fica mais tranquila porque fizemos o que tinha que ser feito, o que era certo fazer.

É impressionante como fazer o bem faz bem. Doe sangue e viva essa experiência!

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

 

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.