Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

As chuvas estão chegando

 

O mundo olhava para Veneza, inundada como fazia tempo que não acontecia, e a chuva começava a cair no Espírito Santo. No começo, chuva forte, mas sem assustar. Rapidamente a situação mudou. A chuva manteve a intensidade, os rios começaram a subir, as inundações começaram a bater nas cidades.

Algumas semanas antes, uma tempestade de granizo caiu em cima da Baixada Fluminense, derrubando e destruindo.

Chuvas fortes começam a dar as caras em todo o país. É a época delas, não tem nada de estranho. O que nós temos que saber é se estamos preparadas para o que vem pela frente.

Leia também: As chuvas estão mudando

Ninguém tem como dizer o tamanho do que vai acontecer, nem onde as chuvas serão mais catastróficas.

Mas existem áreas que são, tradicionalmente, atingidas duramente. Essas, com mais ou menos intensidade, sofrerão os efeitos da chuva. Então, o que precisa ser feito é tomar as providências para estar tudo pronto para quando a chuva chegar.

Ao longo dos anos, as chuvas têm aumentado de intensidade. Tem quem diga que é por culpa do ser humano, tem quem diga que é um fenômeno natural, que aconteceria com ou sem a interferência humana.

Leia também: Ah, o sol

Tanto faz, o fato concreto é que as chuvas estão caindo mais e mais fortes. Do outro lado, o êxodo rural aumentou a concentração da população nas áreas de risco. O resultado é um só: o aumento dos estragos e das perdas de todos os tipos, decorrentes das águas nos meses de verão.

Pode mais quem chora menos. O fato indiscutível é que as chuvas podem mais e cada vez que caem com intensidade, a destruição aumenta e atinge um número maior de pessoas.

Os meses quentes estão no começo do começo, mas as chuvas já mostraram que estão aí para valer. Deus tenha piedade de nós!

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

 

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.