Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

O ciclo das jacas

 

É muito mais fácil saber que o ano está chegando ao fim olhando as datas numa folhinha ou pelo telefone celular. Mas não há como negar, é possível saber a passagem do tempo pelas floradas e pelas frutas que se seguem às floradas.

No fim do ano, é fácil dizer que se está no fim do ano olhando a florada dos flamboyants. É verdade que a conta não é exata, afinal a florada não respeita os calendários e se estende ou encurta, dependendo de fatores externos como solo e clima.

É por isso que quero dar outra dica para se ter certeza que é fim do ano. Afinal, se os Papais Noéis nos Shopping Centers são a certeza da proximidade do Natal, pode ser que a pessoa esteja em região sem Sopping Center e aí não ver o Papai Noel pode confundir em vez de ajudar.

Leia também: As goiabeiras chegaram

Uma forma segura de saber que é ano novo é acompanhar o crescimento das jacas. As jacas são frutas que chegam a tamanhos absurdos e, por isso mesmo, são um perigo, já que dão nos galhos da jaqueira, uma árvore que pode ficar enorme para carregar e aguentar o preso dos frutos pendurados nos galhos.

A jaqueira é uma árvore impressionante. A maior que eu vi foi em Itacaré, no sul da Bahia. Mas a Santa Casa de São Paulo tem duas jaqueiras que não fariam feio numa competição de árvores urbanas.

Leia também: Tem mais resedá no pedaço

A época das jacas amadurecerem é no começo do ano. Por essa característica imutável e inerente à espécie, é possível afirmar se estamos ou não próximos do ano novo.

Da mesma forma que acontece com os flamboyants, vendo a jaqueira não é possível dizer exatamente em que dia estamos, mas o tamanho das jacas é uma boa medida para se ter uma noção aproximada do ciclo do sol. O ciclo das jacas se cumpre no verão, no começo do ano.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.