O fogo chega perto

  A Amazônia está queimando, o Pantanal está queimando, as serras paulistas estão queimando, o interior de Minas Gerais está queimando, o Triângulo Mineiro está queimando, Paraná e Santa Catarina estão queimando, o Brasil está queimando. Como disse um técnico, falando do Pantanal, esse tipo de evento, com as mudanças…

Continuar lendo

De tropeço em tropeço o mundo vai

De tropeço em tropeço o mundo segue em frente. Caminha sem se importar com a humanidade, que pouco faz para ajudar. Pelo contrário nossa capacidade de atrapalhar atravessa os séculos, se consolida nos milênios, se perpetua nas barbaridades praticadas em nome de Deus e do diabo, como se nossa missão…

Continuar lendo

A natureza sacode a casca

  De tempos em tempos o planeta dá uns espirros mais ou menos fortes. Terremotos, tsunamis e vulcões entram em ação e causam danos mais ou menos sérios em regiões mais ou menos habitadas. Nos últimos anos temos vivido a experiência desafiadora das mudanças climáticas, integralmente inseridas nos movimentos do…

Continuar lendo

Os resedás floridos

  São Paulo é uma caixa de surpresas inextinguível. Quando menos se espera, o que não era para ser é, e vice-versa. Chega sem aviso, sai de trás de um muro, da porta do taxi, da estação do trem. Faz muitos anos, tinha um cidadão que tinha uma chácara no…

Continuar lendo

Os jardins da USP

  Os jardins da Cidade Universitária são lindos, gostosos e verdadeiras caixas de surpresa. Quando menos se espera, surge algo inusitado, como gaviões furando os sacos de lixo porque é mais fácil comer neles do que perseguir os bem-te-vis em pleno voo. A criação de capivaras segue de vento em…

Continuar lendo

A Serra florida

  Quem olha o paredão da Serra do Mar entende porque São Paulo nunca precisou murar a vila, nem erguer fortes para proteger o Planalto de Piratininga. Imagine os primeiros navegantes vendo essa massa de terra tapando o interior e impedindo a passagem. Eles eram muito corajosos! A Mata Atlântica…

Continuar lendo

O ciclo das jacas

  É muito mais fácil saber que o ano está chegando ao fim olhando as datas numa folhinha ou pelo telefone celular. Mas não há como negar, é possível saber a passagem do tempo pelas floradas e pelas frutas que se seguem às floradas. No fim do ano, é fácil…

Continuar lendo

Tem mais resedá no pedaço

Os resedás não são famosos como os ipês ou as azaleias, mas ocupam seu espaço nas calçadas da cidade. A maioria das pessoas não sabe que eles são resedás. Tem gente que acha um monte de coisas. De pau brasil para fora, os resedás se prestam a serem todas as…

Continuar lendo

Praça Villaboim

  A primeira praça em que eu brinquei foi na Praça Villaboim, em Higienópolis. É um triângulo pequeno, encravado entre duas ruas, uma, indo e ligando o bairro à cidade, e outra vindo, ligando o bairro ao bairro. No meio da praça tem uma figueira benjamim que impõe respeito. E…

Continuar lendo

A mensagem dos resedás

  Estamos entrando nas férias. Férias escolares que foram injustamente encurtadas em nome de um ensino que, ao longo das décadas, mergulhou de cabeça na sandice, na demagogia e na incompetência que colocam o Brasil numa das piores posições entre as nações minimamente civilizadas. Quando eu ia à escola, as…

Continuar lendo