Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

A moradora de rua e a nota fiscal

 

Tem dias que saímos de casa sem qualquer pretensão, além de tocar em frente, indo ao supermercado ou à farmácia comprar algo que nem é tão indispensável.

Na maioria das vezes, vamos e voltamos praticamente sem darmos conta do que aconteceu no percurso e rapidamente esquecemos que num determinado dia saímos para fazer tal coisa.

Mas tem vezes que a vida nos ensina lições completamente inesperadas, que podem nos marcar intensamente, apesar da história ter um começo tão banal quanto ir a uma farmácia comprar fio dental e um colírio.

Leia também: Fazer o bem, sem olhar a quem

Foi o que aconteceu comigo, no Guarujá, num fim de semana das férias. Fui comprar fio dental e colírio. Estava na fila do caixa quando uma mulher se aproximou de mim falando rapidamente, com jeito de quem estava pedindo alguma coisa.

Ela tinha nas mãos dois ou três produtos para criança e eu achei que queria passar na minha frente. Pedi que repetisse e foi aí que entendi que ela me pedia para pagar uma caixa de fraldas para o filho.

Era uma moradora de rua. A caixa olhou torto para ela, como quem diz “não atrapalhe meus clientes”. Mas eu disse que ela pegasse a caixa de fraldas que eu pagava.

Leia também: Do lado do bem

Ela retornou com as fraldas, entregou para a caixa e ficou me olhando com os outros produtos na mão. Eu assumi a conta inteira, que não era alta, e ela começou a pular de alegria e a agradecer a Deus.

Até aí ok, mas ainda faltava a lição da vida. Ela pediu a nota fiscal e a caixa não quis lhe entregar. Não sei porque ela agiu assim, mas peguei a nota fiscal e dei para a mulher. Ela então me explicou que precisava da nota porque, se a polícia a parasse, provava que não tinha furtado as mercadorias.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.