Refém do caos

  O Brasil é, faz tempo, refém do caos. A bagunça institucionalizada faz parte do dia a dia da nação e se manifesta em todos os campos, todas as atividades, todas as situações, todos os níveis, todas as esferas e todos os sonhos que se transformam em pesadelo. Dizia o…

Continuar lendo

Show de horrores

  Nem começou a distribuição de nossas poucas vacinas e o show de horrores já entrou em cena nas mais variadas regiões do país, inclusive São Paulo, Capital, onde parece que o Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo foi privilegiado com uma quota maior que o volume destinado…

Continuar lendo

Sem vacina para todo mundo

Não adianta espernear, nem fazer demagogia barata. A verdade dura, nua e crua é que não tem – e vai demorar para ter – vacina para todos os brasileiros. E sem vacina não tem o que fazer, a pandemia segue em frente, cobrando diariamente sua quota de mortes. Culpa nossa….

Continuar lendo

A banalidade da violência

  O assassinato de um homem negro pelos seguranças de um supermercado em Porto Alegre desencadeou uma onda de protestos. Os protestos são legítimos, em todos os sentidos, mas o problema nacional vai muito além de um assassinato, por mais dramático e terrível que seja. Nós temos sessenta mil assassinatos…

Continuar lendo

Vai que vai e vai mal

  Ninguém sabe muito bem para onde, mas vamos que vamos. De verdade, temos muita espuma e pouca água. Gritam daqui, gritam dali, mas o barco continua mais ou menos encalhado, ameaçando fazer água na próxima maré. Pode ir e pode voltar, e é melhor ir ou voltar do que…

Continuar lendo

Tá todo mundo louco

  Segunda-feira da semana passada, saí de casa para ir para a Santa Casa de São Paulo e tomei um susto. O trânsito tinha voltado e as ruas estavam cheias de automóveis, quase como se fosse um dia comum na vida da cidade. Como se não tivesse pandemia e o…

Continuar lendo

Debaixo das pontes

Debaixo das pontes da cidade mora gente. É isso aí: debaixo das pontes mora gente. Seres humanos como você ou eu. Eles moram debaixo das pontes, o que pode ser péssimo, mas ainda é melhor do que morar em determinados barracos perdidos nas favelas do mundo. A miséria assusta. Lamentavelmente,…

Continuar lendo

O malandro e o esperto

Durante décadas o Brasil foi famoso pelo malandro. O cidadão, especialmente, do Rio de Janeiro que sempre achava uma forma de dar um jeitinho e tocar em frente, sem trabalhar muito, sem fazer força ou perder tempo com as dificuldades da vida. A imagem era tão forte que Walt Disney,…

Continuar lendo

A bagunça dos fios dos postes

A expectativa é que esse problema se resolva nesse ano Não é de hoje que andar pelas calçadas da cidade é um grande desafio em meio à quantidade de fios soltos e pendurados. Um perigo para quem desvia desviar deles, correndo o risco de tomar um tombo, ou tomar um…

Continuar lendo

Depois do carnaval

  Diz a lenda que o Brasil começa a funcionar depois do carnaval. Bem, o carnaval passou. Então é hora de acordar, meter o pé na estrada e começar a fazer acontecer. Até aqui o ano foi de muita falação e pouca ação. A economia não está tão forte quanto…

Continuar lendo