Pressione enter para ver os resultados ou esc para cancelar.

Chuva de gente grande

 

Pra quem acha que não é assim, as chuvas de verão este ano estão chegando com tudo, entrando de cabeça e fazendo a festa pelas cidades.

No começo, a coisa ficou feia em Minas Gerais e no Espírito Santo, depois entrou no Rio de Janeiro e, quando os paulistas começavam a querer rir, chegou em São Paulo, fazendo cabelo, barba e bigode, na capital e no interior.

Não tem como, todo ano é a mesma coisa. Chove e a chuva leva o que tem na frente, matando, destruindo, cobrando caro a imprevidência do ser humano que insiste em morar onde não deve, como é sabido desde os tempos coloniais, quando as disposições da Câmara da Vila de São Paulo proibiam morar nas várzeas do Tietê e do Pinheiros.

Leia também: As chuvas estão mudando

Já são mais de sessenta mortos nas mais variadas regiões. Poderia ser muito mais, mas até agora as chuvas preferiram encher as cidades em vez de deslizar morro abaixo, arrastando consigo o que tem na frente ou está encima.

É curioso, mas, ano após ano, o discurso é igual. Vamos ver, vamos fazer, vamos tomar providências para não se repetir, etc.

É o bom e velho “me engana que eu gosto”. Todo mundo sabe que de verdade o Governo, em todos os seus níveis, fará muito pouco. É discurso para inglês ver, pegar carona na onda e capitalizar para a eleição que se aproxima.

Leia também: Os dois lados da chuva

Ainda tem muita água com potencial para cair. A letra da música fala das águas de março, mas não é só a música que sabe que elas podem cair com mais força do que nos meses anteriores.

Quem vive em áreas de risco não dorme faz tempo. É assim porque é assim. O problema é que eles estão nas áreas de risco porque não têm outro lugar para ir. Cabe aos governos impedir esse tipo de ocupação.

Crônicas da Cidade vai ao ar de segunda a sexta na Rádio Eldorado às 5h55, 9h30 e 20h.

Antonio Penteado Mendonça

Advogado, formado pela Faculdade de Direito Largo São Francisco, com pós-graduação na Alemanha e na Fundação Getulio Vargas (FGV). É provedor (presidente) da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, ex-presidente e atual 1º secretário da Academia Paulista de Letras, professor da FIA-FEA e do GV-PEC, palestrante, assessor e consultor em seguros.